Imagine-se alguém que se proponha discorrer, em um só volume, sobre a vida e a obra de vários nomes importantes da literatura mundial. Ainda mais: permite-lhes filtrar o que dizer de si próprios. Façanha assim foi brilhantemente empreendida por um brasileiro, José Paulo Cavalcanti Filho, com Fernando Pessoa: uma quase autobiografia (Rio de Janeiro : Record, 2011), sobre o escritor português e seus heterônimos, a maior e mais relevante homenagem que já se prestou ao poeta, em todos os lugares, em todos os tempos. São 734 páginas em que Pessoa é estudado, pesquisado, analisado, investigado à exaustão, referência obrigatória em tudo que se escrever, daqui por diante, sobre o autor de Mensagem.

É muito, frente aos quase seis mil livros, calcula-se, a ele dedicados, especialmente três biografias: Vida e obra de Fernando Pessoa (1950), de João Gaspar Simões; A vida plural de Fernando Pessoa (1988), de Ángel Crespo, e Estranho estrangeiro (1996), de Robert Bréchon. Nenhuma com a abrangência, a profundidade e a substância da que agora se publica. Nela, fotografa-se Pessoa de corpo inteiro, o homem que se embebedava de vinho do Porto, fumava 80 cigarros por dia, gostava de caldo verde e, supersticioso, não se sentava a mesas com 13 pessoas.

Gênio de grandeza incomum, consumia-se na penosa e frustrante luta pela sobrevivência ‒ “a vida inteira que podia ter sido e que não foi”, como no verso de Bandeira ‒, a trabalhar em pequenos escritórios e empresas de comércio. Não ganhou o prêmio Nobel com que sonhava, mas o Antero de Quental, de poesia, às expensas do Secretariado da Propaganda Nacional. Se bem que fruto de uma “conspiração” de amigos: ante a classificação em primeiro lugar de outro concorrente, estabeleceu-se, nos bastidores, prêmio especial para o poeta de Mensagem ‒ cinco mil escudos (3.500 euros, hoje), que aliviaram, por um tempo, a algibeira vazia do poeta.  

Publicitário, é dele o famoso slogan para a Coca-Cola portuguesa, “primeiro estranha-se, depois entranha-se”, que acabou por levar o Ministério da Saúde, ao tempo do ditador Salazar, a proibir o refrigerante, pois “primeiro se estranha e depois se entranha é, precisamente, o que sucede com os entorpecentes”. Apreendidas, as garrafas do produto foram jogadas no rio Tejo, e só voltaram a vender-se em 1977, no governo socialista de Mário Soares.

Em busca de dinheiro, escreveu sob encomenda para um russo, Eliezer Kamenezky, e chegou a pôr no papel algumas invenções, como um novo componente da máquina de escrever, precursor da esfera depois introduzida pela IBM em seus modelos elétricos. Ocorreu-lhe, também, um jogo de futebol de mesa, matraquilho (totó, no Brasil), mais tarde patenteado por um espanhol.

Ao gosto por esoterismo e mediunidade devem-se os 2.700 papéis astrológicos incluídos na famosa arca de documentos que deixou, entre eles 318 horóscopos feitos, além de mapas astrais de figuras como Chopin, Newton, Napoleão e Shakespeare. Interessado em ciências ocultas, relacionou-se com Aleister Crowley, charlatão inglês que, chegado a Lisboa, simulou a própria morte com a ajuda do poeta, a quem revelaria, mais tarde, viver na Alemanha, depois do suicídio fake… Impressiona saber Pessoa ligado a esse tipo de gente, impostor que, de volta à Inglaterra, vendia a ingênuos pílulas de um “elixir da vida”, fabricadas com o próprio sêmen. Diga-se, por curiosidade, que a foto de Aleister Crowley é uma das que se veem na capa do Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club, disco dos Beatles, na companhia de Marx, Jung e Einstein, entre outros…

Pesquisador compulsivo, José Paulo chega aonde poucos vão. Pergunta a vários médicos do que realmente morreu Pessoa, em 1935, aos 47 anos ‒ de pancreatite, é a conclusão. Para saber que se fizera, em Paris, do corpo de Mário de Sá-Carneiro, amigo maior do biografado, conversa com um funcionário do Service Administratif que Conserve la Mémoire des Défunts Enterrés; no rastro do oferecimento de emprego que Ophelia Queiroz, namorada do poeta, lembrava-se de haver saído em uma edição do Diário de Notícias, não o encontra entre os mais de 1.500 anúncios que tem a pachorra de ler na coleção do jornal. Corre, até, o risco de ser preso: ao segurança que não lhe deixa entrar em um edifício no largo de São Carlos, sugere que chame a polícia, pois subirá ao apartamento no quarto andar em que nascera Pessoa, apenas para checar a lembrança de que, de lá, podia-se ver o Tejo e escutar os sinos da igreja de Nossa Senhora dos Mártires. É tamanha a obsessão com o rigor que o biógrafo não se contenta em anotar o endereço de residências e casas de comércio: folheia catálogos antigos para dar o número do telefone… 

Natural, pois, a ânsia que lhe desperta o Arquivo Fernando Pessoa, na Biblioteca Nacional de Lisboa: leu, um a um, 27.543 documentos, dos quais 18.816 escritos a mão e 3.948 datilografados. Mergulho de que se origina um abrangente e substancioso painel da obra pessoana, sobreposto ao que há na biografia quanto ao homem, ao lugar e ao tempo em que viveu. Apresentam-se, então, os heterônimos de Pessoa. Não apenas Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Bernardo Soares, os quatro famosos: José Paulo Cavalcanti Filho conta nada menos do que 127 ‒ com algum exagero, diga-se, pois muitos nomes foram apenas anotados ou referidos por Pessoa, sem que deles haja produção. Heteronímia, em certos casos, tão rica e tão misteriosa que transcende as fronteiras da literatura para alcançar o âmbito da psicologia e da medicina. Talvez até da mediunidade, segundo a doutrina espírita, a julgar pelo depoimento de Ophelia sobre o namorado: “Era um pouco confuso, principalmente quando se apresentava como Álvaro de Campos. Dizia-me, então, hoje não fui eu que vim, foi o meu amigo Álvaro de Campos. Portava-se, nestas alturas, de uma maneira totalmente diferente. Destrambelhado, dizendo coisas sem nexo.”

Mais do que invenções, apenas, são criaturas que se relacionam como se vivas fossem, elementos de uma intricada e complexa trama. Os primeiros surgidos na infância do poeta, por volta dos cinco anos, como Chevalier de Pas e Capitaine Thibeaut. Há heterônimos parentes (como os quatro irmãos Search e os quatro irmãos Wyatt); heterônimos que se transformam em outros (como Charles Robert Anon, que vira Alexander Search); heterônimos criados por heterônimos (como o Ex-seargent William Bing, inventado por Horace James Faber); heterônimos que se manifestam sobre heterônimos (como Frederico Reis, autor de textos sobre o irmão Ricardo, e I. I. Crosse, que escreve sobre Alberto Caeiro e Álvaro de Campos).

Deu-se, até, episódio que resultou em prisão, quando o heterônimo Jean-Seul assina carta em que antevê a morte de Salazar em 1968: “vejo uma cadeira e, depois uma cama e, depois… depois vejo um circo”. Acontece que havia mesmo um Jean-Seul em Portugal, preso por agourar o ditador… Espantosa, a premonição: falecido em 1970, o governante acidentou-se em 1968, ao cair de uma cadeira. Para o biógrafo, o circo simbolizaria, talvez, a festa popular que comemorou o restabelecimento da democracia…

Ao longo do texto, José Paulo revela o gosto pela história, ao escrever, com seguro conhecimento, sobre a lenda de Dom Sebastião (em Portugal e no Brasil), a participação dos portugueses na Primeira Grande Guerra e o Estado Novo de Oliveira Salazar, instituído em 1932. Destaquem-se as 660 notas que enriquecem o livro, com dados que vão da mitologia à etimologia, e as epígrafes latinas que ilustram os capítulos, postas, até, na bibliografia e no índice onomástico. Evidências da erudição do autor, no mais nobre sentido da palavra, sob a discrição e a modéstia próprias dos intelectuais verdadeiramente grandes.

Com Fernando Pessoa: uma quase autobiografia, José Paulo Cavalcanti Filho ergueu notável monumento que honra o poeta e se inclui, por todas as razões, entre as mais importantes obras do gênero na literatura em língua portuguesa.

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

Edmílson Caminha

Professor, jornalista e escritor brasileiro, Edmílson Caminha é membro da Academia Brasiliense de Letras, do Pen Clube do Brasil, da Associação Brasileira de Imprensa e do conselho consultivo do Observatório da Língua Portuguesa. Publicou, entre outras obras, Lutar com palavras; Drummond, a lição do poeta; O professor, Beethoven e o ladrão e A solidão no Programa do Jô.

últimos artigos de Edmílson Caminha (ver todos)

Partilhar