26 February 2021
Cerca de 50% das novas descobertas de petróleo e gás realizadas desde 2005 estão localizadas em países lusófonos. Daí que se reconhece que o português é "a nova língua global do poder e do comércio".

A era do petróleo em português

Cerca de 50% das novas descobertas de petróleo e gás realizadas desde 2005 estão localizadas em países lusófonos. Este será um factor transformacional da importância geopolítica do português na economia global.

Com efeito, esta tendência de fundo foi o tema de capa numa edição recente da prestigiada revista Monocle , que classificou o português como “a nova língua global do poder e do comércio”.

De facto, segundo as últimas análises das consultoras IHSBernstein Analysis , três países de língua oficial portuguesa lideram o ranking das 10 maiores descobertas de petróleo e gás do planeta na presente década.

Uma nova força geopolítica lusófona

Brasil e Moçambique lideram esta lista, em primeiro e segundo lugar, respetivamente. Aqueles dois países concentram quase metade das novas reservas de hidrocarbonetos da economia global: de um total estimado de 72.700 biliões de barris de petróleo equivalente (boe) identificados, perto de 19 mil milhões encontram-se no gigante sul-americano e 15 mil milhões em Moçambique (sobretudo gás natural).

A seguir a aquele país lusófono, situam-se o Irão (9 biliões boe) e a Noruega (5 biliões boe). E em Angola foram igualmente descobertos mais 2 biliões de boe, ocupando este país o 10º lugar da lista.

Mas ainda há outra característica diferenciadora desta nova era lusófona do petróleo e gás: a vasta maioria destas reservas (quase 60%) está localizada em águas ultra-profundas. Portanto, a extensão da Plataforma Continental portuguesa revela-se de acrescida importância estratégica, pois o potencial de riqueza em recursos energéticos pode ser assinalável.

Isto significa o espaço lusófono não só está a reforçar a sua importância geopolítica na economia global em função dos vastos recursos petrolíferos existentes, mas que também poderá afirmar-se como uma força tecnológica estratégica naquele domínio energético. Ler o artigo completo (Expresso)

 

Ruben Eiras, 22 de novembro de 2012

 

Foto: LUSA – Navio plataforma “FPSO Cidade de Angra dos Reis” da Petrobras, 28 de outubro de 2010.

Também poderá gostar

Sem comentários