Em 2022 faz exatamente 40 anos que, na preparação para a adesão de Portugal às então Comunidades Europeias, os primeiros tradutores/linguistas portugueses (aliás, com várias formações universitárias como Direito, Economia, Finanças, Línguas…) entraram nas instituições europeias (Comissão Europeia, Conselho das Comunidades Europeias…). Os tradutores/linguistas das instituições foram essenciais para, a partir de 1982, e ao longo de milhares de páginas, efetuarem/coordenarem a tradução do acervo e a fixação de terminologia e, já depois da adesão em 1986, para o regular funcionamento das instituições.

O trabalho desses tradutores/linguistas está refletido sobretudo na versão portuguesa de milhares de páginas da legislação e de outros textos publicados no Jornal Oficial da União Europeia. Mas não só. Do trabalho desses tradutores/linguistas nas diversas instituições da UE têm resultado também contribuições coletivas ou individuais de referência para a terminologia em língua portuguesa, como é o caso do Código de Redação Interinstitucional, nomeadamente a sua «Lista dos Estados, territórios e moedas», ou artigos ou trabalhos publicados no boletim da língua portuguesa nas instituições europeias «a folha», como o recente suplemento Os Nomes Portugueses das Aves de todo o Mundo, sem esquecer a base terminológica IATE.

Partilhar