Os milhares de convidados foram reunidos na base de Luak, a cerca de seis quilómetros de Same, onde Dom Boaventura assentou arraiais para lutar contra a ocupação portuguesa há 100 anos, e local escolhido para colocar a nova estátua ao primeiro herói timorense.

As cerimónias, dedicadas ao tema unidade e reconciliação nacional, começaram com a inauguração da estátua pelo Presidente timorense, Taur Matan Ruak, e pelo seu homólogo de Cabo Verde, Jorge Fonseca, que inicia na quinta-feira uma visita oficial ao país.

Depois de içada a bandeira ao som do hino nacional, cantado pelo coro da Universidade Nacional de Timor-Leste, foi a vez de Mari Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), ler a carta da proclamação unilateral da independência.

A proclamação unilateral da independência foi feita pela Fretilin a 28 de novembro de 1975. Nove dias depois, Timor-Leste foi invadido pela Indonésia.

A cerimónia prosseguiu com um discurso de Taur Matan Ruak, que pediu aos timorenses mais trabalho e unidade para o desenvolvimento do país, que restaurou a independência em 2002.

As celebrações oficiais terminaram com uma parada, onde participaram as forças de defesa e segurança, funcionários públicos de Same, bombeiros e estudantes.

MSE // VM.

Lusa/Fim

Foto: LUSA – Populares assistem à inauguração da estátua do herói timorense Dom Boaventura, que há 100 anos, assentou arraiais em Manufahi para lutar contra a ocupação portuguesa, em Manufahi, Timor-Leste, 28 de novembro de 2012. ANTONIO AMARAL / LUSA

Partilhar