Uma vez que a admissão das mulheres na carreira militar é recente, é natural que se desconheça o feminino de soldado, soldada.

Assim, o nome no masculino forma-se a partir da palavra ‘soldo’, que diz respeito ao «pagamento em dinheiro atribuído aos militares», a que se juntou o sufixo ‘-ado’, chegando-se, deste modo, a soldado.

Ora, a forma no feminino segue a mesma regra, acrescentando-se o sufixo na forma feminina – ‘-ada’.

No entanto, algumas palavras terminadas em ‘ão’ formam o feminino, mudando essa terminação para ‘oa’. É o caso de ‘ermitão’ / ‘ermitoa’.

Urge ainda recordar que as palavras terminadas em ‘ão’ podem formar o feminino de três maneiras diferentes. Existem, então, aquelas que mudam ‘ão’ em ‘oa’, como acontece em ‘ermitão’ / ‘ermitoa’: ‘leão’ / ‘leoa’; ‘leitão’ / ‘leitoa’; ‘hortelão’ / ‘horteloa’; ‘patrão’ / ‘patroa’; ‘melão’ / ‘meloa’; ‘pavão’ / ‘pavoa’.

Há outras que mudam ‘ão’ em ‘ã’ (‘cidadão’ / ‘cidadã’; ‘anão’ / ‘anã’; anfitrião / ‘anfitriã’; ‘irmão’ / ‘irmã’; ‘temporão’ / ‘temporã’; ‘coimbrão / ‘ coimbrã ‘; ‘alemão’ / ‘ alemã’; ‘ancião’ / ‘anciã’). Outras mudam ‘ão’ em ‘ona’ (‘solteirão’ / ‘solteirona’; ‘folião’ / ‘foliona’; ‘glutão’ / ‘glutona’; ‘babão’ / ‘ babona’; ‘comilão’ / ‘comilona’; ‘beberrão / ‘beberrona’; ‘valentão’ / ‘valentona’; ‘pedinchão’ / ‘pedinchona’; ‘mandrião’ / ‘mandriona’).

Algumas palavras que no masculino terminam em ‘ão’ têm uma forma diferente no feminino: ‘sultão’ / ‘sultana’; ‘barão’ / ‘baronesa’; ‘cão’ / ‘cadela’; ‘ladrão / ‘ladra’ ou ‘ladrona’ (na linguagem popular); ‘lebrão’ / ‘ lebre’; ‘perdigão’ / ‘ perdiz’; ‘tecelão’ / ‘tecedeira’ ou ‘tecelona’; ‘ zângão’ / abelha).

Lúcia Vaz Pedro

Voltar ao Índice

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar