4 March 2021
Estação de comboios de Santiago de Compostela

“Galego faz parte do espaço da Lusofonia”

Lisboa, 25 Out (Lusa) – O autarca de Santiago de Compostela (Galiza, Espanha) entende que “o galego faz parte do espaço da Lusofonia”, pelo que a cidade pode beneficiar economicamente de uma adesão à União de Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

Num comunicado divulgado no seu site, a UCCLA anunciou que Santiago de Compostela vai enviar uma proposta formal de adesão à organização que será oficializada e votada na próxima Assembleia-Geral.

“Perante a intenção manifestada por Santiago de Compostela, capital da Galiza, em integrar a UCCLA e após reunião da Assembleia Municipal de Santiago, realizada a 20 de outubro, foi aprovada, por unanimidade, a adesão como membro observador”, indicou a UCCLA.

O presidente da Câmara de Santiago de Compostela, Martiño Noriega Sánchez, afirmou – em declarações à Lusa – que a iniciativa até pertenceu à própria UCCLA.

“Houve interesse por parte da UCCLA de ampliar o raio de ação da entidade e puseram-se em contacto com a Câmara [de Santiago de Compostela] e simultaneamente com o parlamento [regional da Galiza], porque o parlamento galego aprovou a Lei Paz Andrade”, disse à Lusa Martiño Noriega.

A lei Paz Andrade, aprovada em 2014, previa a inclusão do ensino da língua portuguesa nos centros escolares do ensino primário e secundário e a promoção de conteúdos em português nos meios de comunicação social públicos. Também visava a entrada das instituições públicas galegas nos organismos internacionais do espaço de língua portuguesa.

“É uma aposta por integrar a dinâmica da Galiza e do seu idioma, o galego, nas coordenadas da Lusofonia”, sintetizou o presidente da câmara de Santiago.

Para Martiño Noriega, uma entrada da cidade na UCCLA traria vantagens para Santiago.

“Vemos as vantagens que sempre reivindicamos: somos um país com duas línguas oficiais, uma língua própria que é o galego. Entendemos que o galego partilha o mesmo tronco [comum] com o Português e entendemos que temos de aproveitar isso”, nomeadamente no campo cultural e económico, disse Martiño Noriega.

“Há que aproveitar esse potencial do galego. Achamos que é complementar ao outro idioma cooficial, que é o espanhol, e ao seu impacto na América Latina. Achamos que, como galegos, temos uma posição estratégica e temos de reivindicar, de alguma maneira, a irmandade com Portugal e o campo de ação que isso abre”, concluiu.

O galego, disse, “faz parte do campo da Lusofonia”, pelo que as cidades galegas – com Santiago de Compostela à cabeça – reivindicam “a relação que existe entre estes idiomas”.

“Existe um “galego internacional” que também faz parte da Lusofonia”, afirmou.

A UCCLA tem como membros efetivos 22 cidades de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, São Tomé, Moçambique, Timor-Leste, Guiné-Bissau e China (Macau).

NVI // PJA – Lusa/Fim
Santiago de Compostela a 31 de julho. Peregrinos. JOSE COELHO/LUSA

Santiago de Compostela a 31 de julho. Peregrinos. JOSE COELHO/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES