Lisboa, 18 mai 2022 (Lusa) – Cronologia dos principais acontecimentos relacionados com Timor-Leste desde a declaração de independência em 20 de maio de 2002.

2002

20 maio – Proclamação solene da independência de Timor-Leste, perante a comunidade internacional.

27 setembro – Timor-Leste é admitido como 191.º membro nas Nações Unidas.

04 dezembro – Incidentes em Díli, protagonizados por estudantes universitários, alastram a vários pontos da capital, provocando dois mortos e 40 feridos.

2003

24 fevereiro – Timor-Leste torna-se o 115.º membro do Movimento dos Não-Alinhados, na cimeira realizada em Kuala Lumpur, capital da Malásia.

2004

20 maio – Os “capacetes azuis” estacionados em Timor-Leste cessam as missões operacionais, passando as forças armadas e de polícia timorenses a ter o controlo total em matéria de defesa e segurança.

21 dezembro – Timor-Leste e a Indonésia anunciam criação da Comissão da Verdade e Amizade (CVA) para esclarecer os factos violentos registados em 1999, antes, durante e depois da consulta popular realizada em 30 de agosto daquele ano e que conduziu à independência do país.

2005

19 fevereiro – O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, nomeia uma equipa de três juristas para investigar as graves violações dos direitos humanos cometidos em Timor-Leste quando o território estava sob domínio indonésio.

09 abril – O Presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, visita oficialmente Timor-Leste, tornando-se no primeiro chefe de Estado estrangeiro a entrar em Díli após a independência, em 2002.

19 abril – Centenas de pessoas concentram-se defronte do Palácio do Governo numa manifestação patrocinada pela hierarquia católica, em retaliação contra a intenção governamental de levar por diante um plano experimental que visava retirar à disciplina de Religião o peso curricular que detinha passando a facultativa.

14 maio – As últimas 32 vítimas por identificar dos crimes contra a Humanidade perpetrados em Timor-Leste, em 1999, foram finalmente sepultadas em Díli.

19jJunho – A Comissão de Peritos da ONU mandatada por Kofi Annan para investigar os crimes contra a Humanidade perpetrados em Timor-Leste, em 1999, propôs a criação de um Tribunal Internacional.

2006

08 fevereiro – Centenas de militares queixam-se a Xanana Gusmão de perseguição e atos discriminatórios no seio da instituição castrense.

28 abril – Militares amotinados e que mantinham concentração em Díli, furam barreiras policiais e entram em confrontos com militares leais ao governo. Dos confrontos resultaram dois mortos e 28 feridos.

09 maio – O primeiro-ministro Mari Alkatri acusa militares amotinados de terem tentado derrubar o seu governo.

24 maio – O Governo liderado por Mari Alkatiri apela à Austrália, Malásia, Nova Zelândia e Portugal envio de efetivos militares para ajudar a restabelecer a paz e ordem públicas.

26 junho – Mari Alkatiri demite-se da chefia do governo.

10 julho – José Ramos-Horta, que era ministro dos Negócios Estrangeiros no governo de Alkatiri, é empossado no cargo de primeiro-ministro.

20 dezembro – Por falta de provas é arquivado processo judicial contra Mari Alaktiri, por alegada distribuição de armas.

2007

09 janeiro – Início do julgamento de Rogério Lobato, ex-ministro do Interior do governo Alkatiri, acusado de ter distribuído armas a civis.

20 maio – José Ramos-Horta vence as eleições presidenciais.

30 junho – A FRETILIN, liderada por Mari Alkatiri, vence as eleições legislativas, mas não obtém o número de lugares parlamentares necessários para governar.

08 agosto – Xanana Gusmão, à frente de uma coligação de vários partidos, com maioria parlamentar, é empossado no cargo de primeiro-ministro.

2008

11 fevereiro – O Presidente José Ramos-Horta é ferido com gravidade numa operação em que é abatido a tiro o major Alfredo Reinado, anunciado como autor do ataque, e o primeiro-ministro Xanana Gusmão escapa ileso a uma alegada emboscada, perpetrada pelo tenente Gastão Salsinha, um dos coordenadores do protesto de 28 de abril de 2006, e que se coloca em fuga.

2009

13 julho – Começa em Díli julgamento de alegados autores materiais e morais dos atentados de 11 de fevereiro.

2010

31 janeiro – O papa Bento XVI nomeia o padre Norberto do Amaral primeiro bispo de Maliana, terceira diocese de Timor-Leste, com território desmembrado da diocese de Díli. As outras dioceses são Díli, criada em 1940, e Baucau, criada em 1996.

03 março – O Tribunal de Díli condena 24 arguidos a penas de prisão entre os 16 anos e os nove anos e quatro meses no processo dos atentados de 2008 contra o Presidente José Ramos-Horta e o primeiro-ministro Xanana Gusmão.

06 agosto – O Presidente da República José Ramos-Horta anuncia que pretende indultar Gastão Salsinha e os restantes condenados no processo dos atentados de 2008 contra ele e o primeiro-ministro Xanana Gusmão.

27 agosto – O tenente Gastão Salsinha e os restantes 23 arguidos no processo dos atentados contra Ramos-Horta e Xanana Gusmão são libertados da prisão, dando cumprimento ao indulto presidencial.

2011

04 março – Timor-Leste solicita formalmente a adesão do país à Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

2012

17 abril – O general e antigo chefe das Forças Armadas de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, vence a segunda volta das eleições presidenciais, derrotando por quase 100.000 votos o seu adversário Francisco Guterres Lú-Olo.

07 julho – O Conselho Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), liderado por Xanana Gusmão, vence as eleições legislativas por maioria simples.

13 novembro – Cerca de 140 polícias do Egito, Ucrânia, China, Malásia, Tailândia, Austrália e Zimbabué da Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT), que termina a 31 de dezembro, deixaram o país. Dias depois foi a vez de 100 polícia da Malásia saírem também de Timor-Leste.

22 novembro – As forças australianas destacadas em Timor-Leste no âmbito da Força Internacional de Estabilização (ISF, na sigla em inglês) terminam missão de seis anos em Timor-Leste.

31 dezembro – A ONU termina a última missão em Timor-Leste, 13 anos depois de ter chegado para a consulta popular que levou o ex-território português à independência. Entre 1999 e 2012 passaram por Timor-Leste cinco missões da ONU, quatro das quais para a manutenção da paz. A Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) foi estabelecida em 2006 na sequência da grave crise política e militar que provocou dezenas de mortos, milhares de desalojados e a implosão da polícia nacional. Durante o mandato da ONU foram realizadas as eleições legislativas e presidenciais em 2007 e 2012.

2015

16 fevereiro – O primeiro-ministro Xanana Gusmão é substituído no cargo por Rui Maria de Araújo, indicado pelo maior partido da oposição, Fretilin, numa iniciativa que visa atenuar a tensão política e garantir a estabilidade do país.

2016

26 setembro – Uma comissão de conciliação das Nações Unidas declarou-se competente para continuar com o procedimento de conciliação entre Timor-Leste e a Austrália sobre fronteiras marítimas, rejeitando assim a contestação de Camberra a este processo.

2017

20 janeiro – A Confederação Asiática de Futebol (CAF) suspendeu Timor-Leste da edição de 2023 da Taça Asiática depois de uma investigação comprovar que a federação timorense utilizou 12 jogadores brasileiros com documentos falsos que alegavam ser timorenses. Além de impedir Timor-Leste de participar na qualificação para a edição de 2023 do troféu a federação timorense terá que pagar uma multa de 76 mil dólares (73 mil euros ao câmbio atual).

20 março – Francisco Guterres ‘Lú-Olo’, da Fretilin, vence as eleições presidenciais.

22 julho – A Fretilin, de Mari Alkatiri, venceu as legislativas com uma vantagem de cerca de mil votos em relação ao CNRT, de Xanana Gusmão.

12 dezembro – O Comité Disciplinar da FIFA sanciona a seleção de futebol de Timor-Leste com sete derrotas na qualificação para o Mundial2018, devido a jogadores inelegíveis, bem como uma multa de 70 mil francos suíços (cerca de 60 mil euros). A sanção foi aplicada pela utilização “de um total de nove jogadores inelegíveis devido à sua nacionalidade”, explicou o comité em comunicado, que realça que a decisão está relacionada com uma sanção anterior da CAF, organismo que tutela o futebol asiático.

2018

06 março – Representantes de Timor-Leste e da Austrália assina, numa cerimónia na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, um tratado histórico que pela primeira vez define as fronteiras marítimas entre os dois países no mar de Timor, disputadas durante décadas.

12 maio – A Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana Gusmão, vence as eleições legislativas. Na sequência dos resultados eleitorais, o ex-Presidente da República, Taur Matan Ruak, assume o cargo de primeiro-ministro.

2019

23 julho – Os Governos de Timor-Leste e da Indonésia chegam a acordo sobre a definição de dois troços da fronteira terrestre entre os dois países, acordando continuar a negociar para a delimitação permanente das fronteiras marítimas.

2021

04 abril – O Presidente da República, Francisco Guterres ‘Lú-Olo’ classifica de “grande calamidade” os efeitos das fortes chuvas que causaram inundações e provocaram pelo menos 42 mortos e mais de 10 mil desalojados. A estimativa inicial de danos causados pelas cheias é de 100 milhões de dólares (84,3 milhões de euros) só no município de Díli, anuncia o primeiro-ministro Taur Matan Ruak.

2022

27 janeiro – O ministro da Justiça de Timor-Leste, Manuel Cáceres da Costa, apresenta em Genebra a candidatura do país a um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para o período 2024-2026.

19 abril – José Ramos-Horta é eleito pela segunda vez para a Presidência da República, derrotando na segunda volta o Presidente incumbente, Francisco Guterres ‘Lú-Olo’.

EL // PJA – Lusa/Fim

Partilhar