De acordo com os números disponibilizados pela alfândega chinesa, a China vendeu aos países de língua portuguesa produtos no valor de 33, 24 mil milhões de dólares (26, 54 mil milhões de euros), uma subida de 3, 98%, e comprou produtos no valor de 69, 34 mil milhões de dólares (55, 36 mil milhões de euros), um crescimento de 4, 10%.

O Brasil, como principal parceiro lusófono da China, registou trocas comerciais globais no valor de 68, 23 mil milhões de dólares (54, 47 mil milhões de euros), uma subida de 1, 38% face aos primeiros nove meses de 2013.

De Pequim para Brasília seguiram produtos no valor de 25, 69 mil milhões de dólares (20, 51 mil milhões de euros), ou menos 2, 58% e em sentido inverso produtos no valor de 42, 53 mil milhões de dólares (33, 95 mil milhões de euros), um aumento de 3, 94%.

Já com Angola, o segundo parceiro lusófono da China, as trocas comerciais totalizaram 28, 26 mil milhões de dólares, a traduzirem um aumento de 4, 31%, com Pequim a vender ao país africano produtos no valor de 3, 88 mil milhões de dólares (3, 09 mil milhões de euros), ou mais 38, 45%, e a comprar produtos no valor de 24, 37 mil milhões de dólares (19, 45 mil milhões de euros), uma subida de 0, 28%.

Com Portugal, o terceiro país da lusofonia com maior peso no comércio, as trocas comerciais totalizaram 3, 61 mil milhões de dólares (2, 88 mil milhões de euros), mais 24, 93% do que entre janeiro e setembro de 2013.

De Pequim seguiram para Lisboa produtos no valor de 2, 33 mil milhões de dólares (1, 8 mil milhões de euros), uma subida de 27, 07% enquanto em sentido inverso as compras chinesas totalizaram 1, 28 mil milhões de dólares (1, 02 mil milhões de euros), mais 21, 21%.

Apesar de um forte crescimento, a China continua a vender a Portugal mais produtos e a manter uma balança comercial positiva para o seu lado.

A China designou Macau como a plataforma de ligação para os países de língua portuguesa tendo lançado em 2003 o Fórum Macau que tem contribuído para uma rápida aproximação multilateral entre os diversos países, além de potenciar também o comércio.

Macau é uma Região Administrativa Especial da China desde 20 de dezembro de 1999, com autonomia administrativa, legislativa e judicial, mesmo em julgamento em última instância.

JCS // MSF – Lusa/fim


Fotos LUSA:

– foto de uma nota de 100 yuan ou Reminbi (RMB), China, 09 de fevereiro de 2011.

– O Presidente chinês, Xi Jinping e a Presidente Dilma Rousseff (não visível). Palácio Alvorada. Brasília, Brasil, 17 de julho de 2014.