A Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária Delegada Permanente da República de Angola junto da UNESCO, Ana Maria de Oliveira, e a Directora Geral da UNESCO Audrey Azoulay.

Paris, 03 abr 2022 (Lusa) – A embaixadora de Angola na UNESCO considerou que a celebração do Dia da Língua Portuguesa na quinta-feira na sede da organização, em Paris, é uma mensagem de “paz” e vai mostrar as potencialidades dos países lusófonos ao mundo.

“Este evento representa acima de tudo a paz num tempo conturbado como aquele que vivemos. Num conjunto formado pelos 193 países do mundo da UNESCO, estes países lusófonos vão mostrar o seu potencial e a sua mensagem de paz, cultura e congregação. Assim como a importância que o multilateralismo tem no mundo diplomático”, afirmou Ana Maria de Oliveira, embaixadora de Angola junto da UNESCO, em declarações à Lusa.

Em 05 de maio, a sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), no 7.º bairro de Paris, vai servir de palco para diferentes manifestações culturais dos nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com uma tocatina de Cabo Verde, uma atuação do Quarteto da Cidade de São Paulo ou um concerto da Orquestra Filarmónica Portuguesa.

Para Ana Maria de Oliveira, ex-ministra da Cultura angolana, este é um momento para os povos lusófonos “estarem juntos” após dois anos de pandemia de covid-19, num evento que conta com o contributo das diferentes delegações acreditadas na UNESCO.

“É uma ocasião para celebrar o facto de ser bom estarmos juntos, de nos entendermos na mesma língua e mostrarmos o que é o nosso potencial cultural e interesses económicos, assim como as nossas potencialidades turísticas e tudo que envolve os interesses desta comunidade presente nos cinco continentes”, indicou.

Este é também um momento para continuar a fazer pressão nas instituições internacionais para adotarem a língua portuguesa como língua de trabalho, uma batalha há muito travada pelos diplomatas lusófonos no seio da Organização das Nações Unidas.

“Penso que o poder instalado nos diferentes países lusófonos está com atenção a esta questão que é o português como língua de trabalho, não só na UNESCO, mas a nível dos organismos internacionais no mundo onde estes países se fazem representar”, declarou.

Com Angola a deter atualmente a presidência rotativa da CPLP e também a integrar o Conselho Executivo da UNESCO, Ana Maria de Oliveira considerou que há uma nova dinâmica entre os países de língua portuguesa, especialmente no que diz respeito ao pilar económico.

“A língua é um instrumento dinâmico e que está ligado a todos os elementos que se congregam para o desenvolvimento. O desenvolvimento está subjacente a todo o tipo de trocas, movimentos de pessoas e realização dos interesses económicos. A CPLP carece de fazer desenvolver esta dimensão. Penso que estamos num momento dinâmico em que os países da CPLP podem e devem fazer acontecer programas e políticas no âmbito da economia”, concluiu.

A celebração do Dia da Língua Portuguesa na UNESCO vai contar com a presença de delegações dos diversos países da CPLP, com Portugal a promover uma exposição do pintor e poeta Artur Cruzeiro Seixas.

A UNESCO associa-se também ao centenário de Agostinho Neto, com a sua viúva a marcar presença em Paris.

CYF // LFS – Lusa/Fim

Partilhar