4 March 2021
O Cardeal Patriarca de Lisboa, Manuel Clemente. Fátima, 16 de abril de 2015. PAULO CUNHA/LUSA

A língua portuguesa deixa de ser língua de trabalho na Cúria Romana.

O cardeal-patriarca de Lisboa recorreu esta segunda-feira aos mais de 160 milhões de católicos no Mundo que falam português para contestar a decisão da Cúria Romana de afastar a língua portuguesa, uma das oficiais da Congregação para a Causa dos Santos.

D. Manuel Clemente garantiu ao CM que irá defender a continuidade da língua portuguesa no Vaticano, dando conta de que a estratégia será definida pela Conferência Episcopal Portuguesa.

No Mundo existem 1254 milhões de católicos, dos quais 315 milhões vivem em países onde o castelhano é a língua oficial. Depois vem o português, falado por 160 milhões de católicos.

A Cúria Romana afasta o português por ser muito complicado e aconselha a que a redação das sínteses dos processos de futuros santos sejam redigidas só em italiano, espanhol, inglês, francês e latim. Reconhece, ainda, que “o país tem apenas 20 dioceses, muito menos do que no Brasil”.

Ler o artigo completo (Correio da Manhã)

Foto LUSA: Imagem divulgada pelo Osservatore Romano. Basílica de S. Pedro, Cidade do Vaticano, 22 de fevereiro de 2016. EPA / OSSERVATORE ROMANO

Foto LUSA: Imagem divulgada pelo Osservatore Romano Basílica de S. Pedro, Cidade do Vaticano, 22 de fevereiro de 2016. EPA / OSSERVATORE ROMANO

Também poderá gostar

2 Comentários do artigo
  • A resposta do papa-açorda Francisco a Marcelo Rebelo de Sousa | perspectivas
    25 Março 2016 at 10:50 -

    […] língua portuguesa deixa de ser língua de trabalho na Cúria Romana. Toma lá, ó Marcelo!,  para não te armares em […]

  • A língua portuguesa deixa de ser língua de trabalho na Cúria Romana. | AICL Colóquios da Lusofonia
    20 Março 2016 at 19:00 -

    […] Fonte: A língua portuguesa deixa de ser língua de trabalho na Cúria Romana. […]