O poeta português Nuno Júdice, Prémio Rainha Sofia Sofía 2013, Traduziu e lê um poema do poeta venezuelano Rafael Cadenas.

Espero uma canção diferente.
Uma canção que me resolva.
Uma canção ligeira com um azulejo.
Uma canção que me eleve como um vinho.
Uma canção tão amorosa que eu não possa desaparecer.
Uma canção que me acolha, depois de lavado, sem trevas.
Robusta, clara e dúctil como anseio ser.
Canção que seja sempre definitiva.
Com ela caminharei tal como a manhã.
Cheio dessa humidade viajante de longe.
A manhã que torna limpas as coisas.
Que afaste de mim todo o pesar.
Que não faça durar nenhuma angústia.
Que me leve pela mão por cima dos males.
Forte e fiável embarcação.
Traducción: Nuno Júdice.

Rafael Cadenas é um poeta e ensaísta venezuelano. Ensinou por muitos anos na Universidade Central da Venezuela. Recebeu o Prêmio Nacional de Literatura, o prêmio internacional de literatura da Feira do Livro de Guadalajara e o Prêmio García Lorca. O seu poema mais famoso é “Derrota”.


 

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar