Apresentação Detalhada

Os adjetivos gentílicos, étnicos ou pátrios designam a origem, a nacionalidade, a pátria, o lugar de nascimento ou de residência da pessoa ou da coisa que qualificam. Estes adjetivos dão origem a nomes com os quais podemos designar essas pessoas ou coisas.

Existem várias formas de construir um gentílico: predominantemente recorre-se à junção ao topónimo ou à sua forma latina ou latinizada de um sufixo como –ense, -ês ou -ano. No entanto, não se pode estabelecer um padrão fixo para a criação de gentílicos, porque estes dependem fortemente não só da estrutura da língua, mas também da tradição e do uso de estruturas que se fixaram ao longo do tempo.

Todos os dias, em diversas circunstâncias, somos confrontados com a necessidade de saber o gentílico de um determinado local, seja para designar os feridos de uma catástrofe natural, os jogadores de uma equipa de futebol ou os habitantes de uma localidade que está em protesto, seja apenas por mera curiosidade.

E as dúvidas surgem. O habitante de Cascais é cascalensecascalejo, ou ambos? Por esta razão, o Portal da Língua Portuguesa pensou em proporcionar um fácil acesso a uma lista de gentílicos.

Foram várias as obras de referência consultadas pelo Portal. Todos os gentílicos aqui registados estão presentes (ou foram recolhidos) em:

  • dicionários – por estarem palavras já integradas no léxico;
  • prontuários – por resultarem de um trabalho cuidado de recolha sistemática;
  • documentos e páginas de organismos oficiais, como os da República Portuguesa e da União Europeia.

O utilizador encontrará aqui um vasto repositório de gentílicos nacionais e internacionais. Mas nem todos os locais possuem um gentílico associado que esteja registado. Por exemplo, não existe uma única palavra atestada para denominar o habitante da pequena localidade de Vila da Pinta, no Cartaxo (Portugal): seja por que motivo for, ainda não se encontrou uma atestação do gentílico, mas, a criá-lo, ele seria algo como vila-pintense (como em vila-bispense de Vila do Bispo). Aliás, o facto de ser uma localidade com baixa densidade demográfica não é condição para que não exista para ela um gentílico; veja-se o caso de Los Angeles, para o qual não há registado nenhum gentílico em português europeu nas fontes de referência do Portal.

O Portal apenas regista os gentílicos do português europeu devidamente atestados e considerados palavras bem-formadas do ponto de vista morfossintático. Gentílicos marcadamente depreciativos foram deixados de parte.

Esta lista encontra-se em constante atualização e nem sempre é possível encontrar um determinado gentílico pelos seguintes motivos:

  • pela dimensão e complexidade do tema;
  • porque existem locais para os quais não foram encontrados nas fontes consultadas gentílicos atribuídos, embora se saiba que eles existem;
  • porque existem locais que, por diversas razões, não possuem nenhum gentílico associado (nestes casos consideramos que, por enquanto, usar a expressão “o habitante / o natural de nome da localidade” é a forma mais correta de o referir).
Como Funciona?

A apresentação dos gentílicos é feita por ordem alfabética, de modo a facilitar a pesquisa. No entanto, as opções de pesquisa são diversas, podendo ser feitas através da letra inicial do gentílico, do nome do país, do nome de distrito (para Portugal) ou estado (para o Brasil), ou do nome do local (país, território).

Vejamos o exemplo:

Nesta entrada temos Abaças, que é uma freguesia no distrito de Vila Real, em Portugal, sendo a forma de designar os seus habitantes ou a propriedade do que é dessa localidade abacense (substantivo e adjetivo, respetivamente). Quando se clica no nome ou no adjetivo, surge uma ligação para a página do Portal que fornece a informação sobre a flexão da palavra.

Sistema de Comentários e Sugestões

Apreciaremos a sua colaboração no sentido de ajudar a melhorar este sítio. Se tiver conhecimento da existência de gentílicos que não se encontrem nesta lista, pode seguir esta ligação, propondo gentílicos que não tenhamos aqui incluído e a fonte bibliográfica onde se encontram registados. Se indicar o seu nome e endereço eletrónico, tentaremos responder com brevidade ao seu comentário.

Nota: As adições serão sempre feitas mediante os critérios estabelecidos pelo Portal e alvo de estrito controlo lexicográfico.

Referências Bibliográficas

Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa e Editorial Verbo. 2001.

Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa – 3 Volumes. Houaiss, António. Temas e Debates. 2003.

Grande Dicionário da Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora. 2004.

Prontuário Ortográfico e Guia da Língua Portuguesa. Magnus Bergström/Neves Reis Lisboa, Editorial Notícias.


Aceder ao dicionário:

Partilhar