Esta manhã chegaram-me vários emails com a notícia do falecimento do Cristóvão de Aguiar. Os dois primeiros vieram do Pico da Pedra, sua e minha terra natal (nascemos na mesma rua). Eram do Osvaldo e do Zeca, este curiosamente referindo-o pelo nome por que é conhecido na freguesia: Luís Cristóvão.
O escritor deixa uma obra notável de que destaco o primeiro volume de Raiz Comovida, do meu ponto de vista uma obra de primeira classe na literatura portuguesa. Saudei-a mal apareceu (a Academia das Ciências deu-lhe o prémio Ricardo Malheiros) com um escrito no suplemento “Cultura”, do Diário de Notícias (19 de Outubro de 1978), mais tarde republicado no livro Homenagem a Cristóvão de Aguiar. 40 Anos de Vida Literária, organizado pela Ana Paula Arnaut (Coimbra: Faculdade de Letras, 2005), pp. 36-39.
Esse primeiro volume está a ser traduzido por David Brookshaw, professor aposentado da Universidade de Bristol (Reino Unido), tradutor de Raul Brandão e de Mia Couto. Encomendei-lhe o projeto para a série de livros açorianos em tradução inglesa, Bellis Azorica, a publicar na Tagus Press.
Curiosamente, um dos emails com a notícia veio mesmo daqui de Providence. Enviou-mo o  José Pedro Monteiro que está aqui a lecionar um curso este semestre ao abrigo de um programa de colaboração com a FLAD. Estranhei porque o Zé Pedro é de História e não o sabia atento às letras. Explicou-me: – Um filho dele é vizinho da minha mãe.
Small world, piccolo mondo.
A verdade é que o mundo ficou maior com a obra que o Cristóvão nos legou.

São da vila de Bristol, mas de Rhode Island (pura coincidência), terra onde estão sepultados os pais e um irmão do Cristóvão. Bristol aparece com frequência nos volumes do seu diário Relação de Bordo, pois ele vinha até cá com relativa frequência quando os pais eram vivos. Foram tiradas há poucos dias numa das minhas voltas com a Leonor. Bristol fica a meia-hora de Providence.

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

Onésimo Teotónio Almeida

Onésimo Teotónio Pereira de Almeida - Natural de S. Miguel, Açores, é doutorado em Filosofia pela Brown University em Providemce, Rhode Island (EUA). Nessa mesma universidade é Professor Catedrático no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros, bem como no Center for the Study of the Early Modern World e no Wayland Collegium for Liberal Learning. Autor de dezenas de livros. Alguns dos mais recentes: Despenteando Parágrafos, A Obsessão da Portugalidade, e O Século dos Prodígios. A ciência no Portugal da Expansão, na área do ensaio. Em escrita criativa: Livro-me do Desassossego, Aventuras de um Nabogador e Quando os Bobos Uivam. Co-dirige as revistas Gávea-Brown, Pessoa Plural e e-Journal of Portuguese History bem como a uma série de livros sobre temática lusófona na Sussex Academic Press, no Reino Unido. É membro da Academia da Marinha, da Academia das Ciências e doutor Honoris Causa pela Universidade de Aveiro.

últimos artigos de Onésimo Teotónio Almeida (ver todos)

Partilhar