O secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, um dos amigos mais próximos de Mário Soares, considerou hoje que Portugal perdeu o homem que abriu o país a novos horizontes de democracia e afirmação no mundo.

“Morreu um homem com H grande. Se é certo que D. João II corporizou a ousadia de uma forma corajosa, aquilo que foram os Descobrimentos de Portugal, que deram novos mundos ao mundo e abriram a globalização, Mário Soares foi o homem que encerrou esse ciclo, mas abrindo o país a novos horizontes de democracia, de tolerância e de afirmação de Portugal no mundo”, disse Vítor Ramalho à agência Lusa. Ler o artigo completo.

RELACIONADAS