6 March 2021
O ministro da Cultura, Luis Filipe Castro Mendes (3E), e Alison Roberts (E), presidente da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal, durante a entrega ao artista Vhils (Alexandre Farto) (C) do Prémio Martha de la Cal – Personalidade do Ano 2015 da Imprensa Internacional, Lisboa, 16 de maio de 2016. JOÃO RELVAS/LUSA

Vhils recebe o prémio personalidade do ano da Associação da Imprensa Estrangeira

O artista Vhils recebe hoje o prémio personalidade do ano, Prémio Martha de la Cal, da Associação da Imprensa Estrangeira, que o considerou “o português que mais contribuiu para levar o nome do país ao exterior”, em 2015.

Os jornalistas estrangeiros, em Portugal, decidiram distinguir o artista Alexandre Farto, que assina Vhils, com o prémio máximo da sua associação, que lhe será entregue hoje, pelo ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, numa sessão a decorrer no IADE – Instituto de Arte e Design, em Lisboa, a partir das 18:30.

Alexandre Farto, 28 anos, captou a atenção a `escavar` muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional e que já levou o artista a vários cantos do mundo.

Vhils cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com `graffiti`, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins, depois de não ter conseguido média para uma faculdade portuguesa. Ler o artigo completo (RTP)

O artista português Alexandre Farto, que assina como Vhils, inaugurou a 21 de Março de 2016 a sua primeira exposição individual em Hong Kong, uma mostra que reflete a cidade e a identidade de quem nela habita para ver mas sobretudo “sentir”. “Debris”, localizada no topo do Pier 4 (Cais 4), com vista para a outra margem, figura como a primeira exposição individual de Vhils na antiga colónia britânica, 21 de Março de 2016, Hong Kong. CARMO CORREIA/LUSA

O artista português Alexandre Farto, que assina como Vhils, inaugurou a 21 de Março de 2016 a sua primeira exposição individual em Hong Kong, uma mostra que reflete a cidade e a identidade de quem nela habita para ver mas sobretudo “sentir”. “ “Debris”, localizada no topo do Pier 4 (Cais 4), com vista para a outra margem, figura como a primeira exposição individual de Vhils na antiga colónia britânica, 21 de Março de 2016, Hong Kong. CARMO CORREIA/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários