O número de alunos de língua portuguesa continua a crescer na Venezuela, país onde na área da Grande Caracas (capital e populações vizinhas) há mais de 1700 estudantes ativos, mas há falta de salas com condições para o ensino.

«Para dar aulas é preciso sítios e há poucos sítios», disse hoje o presidente da Associação Nacional de Professores de Português.

David Pinho falava à Agência Lusa no Centro Português de Caracas, à margem de uma cerimónia de entrega de diplomas de fim de curso e de passagem de nível de 389 alunos daquele clube, que reuniu aproximadamente um milhar de pessoas.

 

FONTE: Diário Digital / Lusa