Coimbra, 07 dez (Lusa) – A Universidade de Coimbra vai colaborar na preservação e dinamização do espólio de mais de 5.000 horas recolhidas pelo jornalista Max Stahl em Timor-Leste, “a história do país em vídeo”, informou hoje a instituição.

O arquivo de mais de cinco mil horas, que está “praticamente digitalizado”, vai agora contar a colaboração da Universidade de Coimbra (UC) no tratamento, indexação e catalogação de todo o espólio recolhido por Max Stahl, o jornalista inglês que filmou e divulgou o massacre de Santa Cruz, em 1991, quando o exército indonésio abriu fogo sobre a população, matando 271 pessoas no local e outras 127 que viriam a morrer nos dias seguintes.

A iniciativa surge após um protocolo entre a UC, o instituto Max Stahl e a Universidade de Timor-Leste, informou hoje o vice-reitor da instituição de Coimbra Joaquim Ramos de Carvalho, que falava durante a apresentação pública da iniciativa da UC “Timor: Imagens e palavras que mudaram o mundo”.

No arquivo, estão presentes imagens recolhidas no tempo de pré-independência, como é o caso do massacre de Santa Cruz e de entrevistas a guerrilheiros timorenses, imagens do referendo e do processo que levou à independência de Timor-Leste e no período pós-independência, com vídeos que não contam apenas o processo político, mas também o “quotidiano” da vida timorense, registando festas, a biodiversidade do país ou costumes e práticas culturais, explanou Joaquim Ramos de Carvalho.

A partir do arquivo, a UC quer criar “uma quantidade de produtos diferentes que trabalhem e que se baseiem no arquivo”, querendo garantir que a maioria dos materiais fique disponível publicamente.

“Há muitos materiais pedagógicos e didáticos” que podem ser criados através do espólio, realçou o vice-reitor da UC, referindo que a multiplicação de possíveis “utilizações” do espólio vai permitir que este seja “um arquivo vivo”.

O espólio, na sua perspetiva, “tem um potencial enorme”, querendo a universidade também dinamizar a sua divulgação não só na comunidade académica dos dois país, “mas pelo mundo”, face ao interesse “mundial” que há em torno do processo de construção da nação timorense.

“Timor: Imagens e palavras que mudaram o mundo” é uma iniciativa da Universidade de Coimbra que organiza, até dia 16, um conjunto de eventos dedicados ao tema, assinalando os 25 anos do massacre de Santa Cruz e os 20 anos do Nobel da Paz atribuído a Ximenes Belo e José Ramos-Horta.

JYGA // SSS – Lusa/Fim

RELACIONADAS