Em declarações à agência Lusa, Rui Rocha, coordenador do departamento de português da Universidade Cidade de Macau, explicou que os dois cursos visam colmatar necessidades imediatas sentidas pela instituição de ensino junto de potenciais alunos e são a antecâmara de lançamento de cursos de língua portuguesa.

“É intenção da universidade estabelecer parcerias com universidades portuguesas com vista a estabelecer programas de aperfeiçoamento intensivo em Portugal aos alunos que frequentarem os cursos curriculares e extracurriculares disponibilizados ou a disponibilizar”, garantiu Rui Rocha.

Segundo a mesma fonte, estas parcerias reforçam a aprendizagem, promovem o conhecimento e constituem uma garantia de qualidade que se pretende no ensino do português também em Macau.

Rui Rocha recordou que depois de vários anos a desenvolver trabalho na área do ensino à distância em colaboração com a Universidade Aberta de Portugal, o objetivo agora é “iniciar a oferta de cursos presenciais de estudos portugueses abrangendo progressivamente todos os níveis académicos de ensino, para reforçar o ensino da língua portuguesa em Macau com elevados e exigentes padrões de qualidade”.

“Este esforço do ensino surge num momento crucial de grande procura da língua portuguesa como língua de valor económico nas relações entre Macau, o interior da China e os países de língua portuguesa, importância que tem sido inequivocamente manifestada pelo Governo central e pelo Governo de Macau”, disse.

Acrescentou também que o Fórum Macau “é a expressão mais visível dessa manifestação de interesse que as autoridades locais e do continente chinês têm vindo a prestar uma particular atenção”.

“Pela primeira vez, um plano quinquenal do Governo central tem um capítulo exclusivo sobre Macau e dá um sinal inequívoco do seu apoio ao desenvolvimento de Macau, ao instituir Macau como o Centro Mundial do Turismo e Lazer e ao propor, também, a aceleração do desenvolvimento como uma plataforma de serviços para a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa”, assinalou Rui Rocha.

 

Para o coordenador do departamento de português da Universidade Cidade de Macau, no contexto político e económico nacional chinês, a língua portuguesa “tem um papel importante a desempenhar na mediação entre Macau, o Interior da China e os países de língua portuguesa” e torna-se, assim, “urgente formar agentes talentosos que, com elevada competência linguística, possam assumir com qualidade esse importante papel de mediadores”.

JCS // VM.

Lusa/Fim

Foto: O reitor da Universidade de Macau, Wei Zhao, discursa durante a sua cerimónia de doutoramento honoris causa organizada pela Academia das Ciências de Lisboa e o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e realizada na Academia de Ciência em Lisboa, 20 de março de 2011. ANTONIO COTRIM/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar