A manifestação cultural “tem raízes africanas que devem ser cada vez mais valorizadas por nós. Agora, é um património a ser conhecido e praticado em todo o mundo”, destacou a ministra interina da Cultura do Brasil, Ana Cristina Wanzeler, que acompanhou a votação.

A Capoeira surgiu no Brasil durante ao período esclavagista e desenvolveu-se como uma forma de socialização e resistência física e cultural entre os escravos.

Como as lutas eram proibidas nas senzalas, os escravos reuniam-se em torno de rodas onde realizavam movimentos de artes marciais, porém sem contato físico com o adversário, e ao embalo de música que conferiam à luta ares de dança.

Até hoje, um capoeirista completo deve dominar a musicalidade e saber tocar o berimbau, instrumento típico que dá o ritmo aos movimentos.

As reuniões para sua prática eram realizadas geralmente em campos abertos, com pouca vegetação, que à época eram chamados de capoeira, de onde vem o nome da luta.

A sua prática foi proibida no Brasil até à década de 1930, por ser considerada perigosa e subversiva, mas em 1937 foi declarada desporto nacional pelo então Presidente Getúlio Vargas.

O reconhecimento eleva o número de manifestações culturais brasileiras reconhecidas como património pela Unesco, que já inclui a dança carnavalesca pernambucana Frevo e o samba de roda do Recôncavo Baiano, a Arte Kusiwa (espécie de pintura corporal realizada por índios do Amapá), e o Círio de Nazaré, manifestação religiosa típica do estado do Pará.

FYRO // EL – Lusa/fim

Fotos LUSA:

–  Grupo brasileiro de ‘Capoeira’. Frankfurt  Alemanha, 28  de junho de 2014. EPA/ANDREAS ARNOLD

–  Elementos de uma escola de capoeira fazem uma demonstração fardados de Polícias de Segurança Pública no âmbito de Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012, em Guimaraes, 23 de agosto 2012. HUGO DELGADO/LUSA

Artigo relacionado:

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar