Bissau, 18 jan 2023 (Lusa) – A diretora-geral da UNESCO, a francesa Audrey Azoulay disse hoje em Bissau ter anunciado ao chefe do Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló, a abertura da organização em apoiar a candidatura das ilhas Bijagós a património mundial.

Em visita de trabalho à Guiné-Bissau, a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) reuniu-se com Sissoco Embaló, com quem debateu, entre outros assuntos, a preservação das ilhas Bijagós.

A responsável, que visitou os Bijagós, salientou que abordou com o chefe de Estado o facto de aquelas ilhas serem atualmente reserva da biosfera da UNESCO.

“Vim agora de uma visita às ilhas Bijagós, classificadas, há 50 anos, como reserva da biosfera da UNESCO, o que permite a sua conservação através de diferentes dispositivos nacionais e comunitários da UNESCO e ainda proteger uma biodiversidade excecional em ligação com a comunidade local que acredita na sua tradição”, afirmou Audrey Azoulay, em declarações à saída do palácio da presidência guineense.

A diretora-geral da UNESCO disse ainda que a organização estará pronta para acompanhar a Guiné-Bissau, que ainda este ano deverá submeter a candidatura das ilhas Bijagós à lista de património mundial.

“Evocamos com o Presidente a forma de continuar a acompanhar a preservação excecional daquelas ilhas, da sua natureza, da sua cultura, nomeadamente através da candidatura possível ao património mundial da UNESCO”, adiantou Audrey Azoulay.

O arquipélago dos Bijagós é uma parte do território marinho e costeiro da Guiné-Bissau, constituída por 88 ilhas e ilhéus, numa extensão de 2,6 quilómetros quadrados, albergando cerca de 33 mil habitantes.

A responsável da UNESCO salientou que a sua primeira visita à Guiné-Bissau visa analisar com as autoridades as linhas de cooperação nos domínios da proteção da natureza e da cultura, que disse serem “excecionais”.

MB // LFS – Lusa/Fim

Bajudas (raparigas solteiras) na Ilha de Canhabaque no Arquipélago dos Bijagós. As características do arquipélago com cerca de 90 ilhas, a maior parte desertas, tornam-no no mais apetecível destino das drogas provenientes da America do Sul, sábado 10 de fevereiro de 2007. JORGE NETO/LUSA

Partilhar