27 February 2021
Ângelo Cristóvão

Uma mesma língua, não duas distintas

AGLP, criada em 2008, é coerente com a mais longa e fiel tradição da cultura galega que, de sempre, considerou existir a um e outro lado do rio Minho uma e a mesma língua, e não duas, mesmo que, por razões históricas e políticas, sejam chamadas por nomes distintos.

São ideias tão comuns, ou tão estranhas para alguns leitores, como as opiniões fundamentadas de Manuel Rodrigues Lapa (leia o seu livro «Estudos Galego-Portugueses»), ou a «Nova Gramática do Português Contemporâneo» de Celso Cunha e Lindley Cintra, publicada em 1984, em que incluíram os dialetos galegos entre os do português europeu. Na sequência deste critério a AGLP assinou parcerias, incluindo um conjunto de palavras de uso corrente na fala quotidiana ou na escrita literária galega, no Vocabulário Ortográfico da Porto Editora, no corretor informático FLiP da empresa Priberam, no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia das Ciências de Lisboa, e na atualização do seu Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Sugiro também dar uma vista de olhos ao Vocabulário Ortográfico da AGLP on-line, com 140000 entradas, e ao Dicionário Estraviz on-line, o maior da Galiza, e um dos mais completos de toda a língua portuguesa, que incluiu recentemente uma completíssima conjugação verbal, a pôr ao mesmo lado as variantes galegas e as comuns ao resto do espaço linguístico.

Em 2018 a Academia foi admitida na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa em qualidade de «observador consultivo», e atualmente participa na sua Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa. Aproveito a oportunidade para anunciar que a AGLP e a citada Comissão organizam uma Conferência em Santiago de Compostela, que terá lugar em 11 de outubro, em instalações da Universidade de Santiago, com o patrocínio do Governo autónomo. Talvez isto sirva também para outra reflexão.

Oportunamente a AGLP colaborou na redação, promoção e negociação da Lei «Paz-Andrade», aprovada em março de 2014 no Parlamento autónomo da Galiza pela unanimidade dos deputados. Uma lei que obriga a fazer efetivas, entre outras medidas, a incorporação da língua portuguesa ao sistema de ensino público, e à promoção da entrada da Galiza em organismos multilaterais do espaço lusófono

Nesta altura histórica existe um amplo consenso entre todos os grupos políticos presentes no Parlamento de Santiago, para a incorporação à CPLP. O Governo autónomo tem manifestado o seu interesse em avançar nesta direção. Estou certo que, de uma ou outra forma, nos próximos anos este desejo terá uma resposta positiva, e a Galiza terá um lugar reconhecido dentro do conjunto dos povos de língua oficial portuguesa. Língua de Camões, Guimarães Rosa e Rosalia Castro, que podemos legitimamente dar o nome de português ou galego.

Porém, na altura em que a Galiza realiza esforços institucionais para a integração no espaço lusófono, e por mostrar a sua proximidade linguística, alguns exemplos parecem vir em sentido contrário, como a publicação no Jornal de Letras de um especial dedicado à Galiza (ou será Galicia, à castelhana?) em que se utiliza uma ortografia insolidária com as outras variantes da mesma língua e se omite pessoas e entidades que, de forma real e efetiva, levam décadas a trabalhar pela aproximação da Galiza. Talvez não sejam este tipo de enquadramentos os mais acertados.

Ângelo Cristóvão

Vice-Presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa

Sócio Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa

Artigo escrito conforme ao Acordo Ortográfico de 1990

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES