O antigo fundador da TSF, Emídio Rangel, vai ser o consultor para a programação do novo canal generalista a ser lançado pelo Afro Music Network, que deve começar a emitir para todos os países lusófonos em dezembro.

Em declarações à Lusa, o fundador da TSF explicou que a ideia é “ajudar a construir as grelhas de programas dos canais de satélite, escolhendo os melhores conteúdos, sobretudo para o canal generalista” que vai emitir a partir de Madrid, em Espanha.

Ainda sem nome, o novo canal vai passar duas telenovelas brasileiras por dia, não vai ter quaisquer espaços de informação, “será entretenimento puro”, e terá um estúdio em Lisboa e outro em Luanda, disse à Lusa o antigo diretor geral da RTP e diretor de informação da SIC.

“O canal generalista é para todos os países que falam a língua portuguesa, e será um canal que reflete muito o seu interesse por Angola, embora se destine a todos os outros sítios, e não difere muito de um canal generalista atualmente em funcionamento”, disse Rangel, acrescentando que a razão que o levou a aceitar o convite do Afro Music Network tem a ver com os desafios e as oportunidades de um novo canal, mas também com a falta de emprego em Portugal.

“Aceitei porque acho interessante a experiência de ajudar na elaboração da programação de um canal para satélite, que tem dificuldades que resultam de ser um canal muito distante, mas há outros desafios. Nunca consegui fazer nada em Portugal, nunca me convidaram para nenhum outro canal, não me deram oportunidade nenhuma de continuar a exercer e a por em prática a sabedoria que colhi e que tratei a nível de conteúdos”, acentuou o agora consultor deste grupo angolano.

O canal não vai ter informação nem um estúdio em Madrid, de onde emite “apenas por uma questão técnica, porque a programação é produzida em Angola e em Portugal”, conclui.

“Com o lançamento deste novo canal, a empresa já produtora de cinco canais televisivos de índole musical – AFRO MUSIC CHANNEL; AFRO MUSIC CONCERT; AFRO MUSIC POP e o mais recente AFRO MUSIC ANGOLA (lançado hoje no mercado angolano) alarga a sua oferta de conteúdos”, lê-se no comunicado.

A Afro Music Network é uma “empresa produtora em Portugal e em Espanha que emite para 53 países a partir do seu centro operacional em Madrid”, acrescenta o comunicado.

 

MBA // PJA – Lusa/Fim

Foto: Camâra de televisão, Lisboa, 18 de fevereiro de 2009. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Partilhar