6 March 2021
Grande estação de Tugu - Yogyakarta

Tugu: a aldeia da Indonésia onde a alma portuguesa não morreu

Foto de Badia Harrison

A aldeia de Tugu fica a poucos quilómetros da antiga Batávia, actual Jacarta, na Indonésia, mais precisamente na ilha de Java. Apesar destas regiões nunca terem sido colonizadas pelos portugueses, estas populações foram levadas para aquela região pelos holandeses, como escravos para trabalhar nas suas plantações, ou ainda, mais frequentemente como escravos para trabalhar nas casa.

Quando os holandeses conquistaram Malaca, Cochim, Ceilão, etc, os portugueses foram feitos escravos e transportados em grande número para outras possessões holandesas, como a Indonésia e até para a África do sul. Dos casamentos com mulheres portuguesas, os holandeses viram-se forçados a ter que aprender o chamado português corrupto, tanto para a vida domestica como no trato com os povos locais.

Na Batávia, como em Tranquebar (possessão dinamarquesa na costa oriental indiana, Costa de Coromandel), o português não corrupto foi utilizado como língua litúrgica e foi até ensinado nas escolas. Existem inúmeras publicações, tais como textos litúrgicos, dicionários…

A comunidade de Tugu (Tugo ou Toegoe) tem sido reportada desde o século XVIII. A grande particularidade desta comunidade era o seu português. Saiba mais (Ncultura).

Artigos relacionados:

Também poderá gostar

Um comentário
  • Tugu: a aldeia da Indonésia onde a alma portuguesa não morreu | AICL Colóquios da Lusofonia
    21 Janeiro 2016 at 20:00 -

    […] Fonte: Tugu: a aldeia da Indonésia onde a alma portuguesa não morreu […]