26 February 2021

Tomás Pereira, o jesuíta português que foi músico, conselheiro e amigo do imperador da China

Pequim, 22 dez (Lusa) – Na época em que a repressão do catolicismo no Japão vitimou o jesuíta Cristóvão Ferreira, um outro missionário português conseguiu firmar com o imperador da China uma aproximação inédita, servindo-se da ciência e da cultura.

Nascido em São Martinho do Vale (Famalicão, perto do Porto), em 1646, Tomás Pereira integrou durante 35 anos a corte do imperador chinês Kangxi (1654 – 1722), cuja governação marca o início de uma era áurea da civilização chinesa.

O português foi professor de matemática de Kangxi, introduziu a música ocidental na China e desempenhou um papel importante nas negociações do primeiro acordo fronteiriço entre a China e a Rússia, em 1689.

O seu trajeto ilustra a fórmula utilizada pelos antigos jesuítas para interagirem com o poder chinês e cumprirem a sua missão, num país adverso à influência externa.

A transmissão de conhecimentos era usada para “fazer amigos e influenciar pessoas entre a elite dos mandarins”, com o intuito de os “converter”, refere Liam Matthew Brockey, professor catedrático no State University of Michigan.

Tomás Pereira terá, contudo, ido mais além, ao conseguir uma aproximação inédita a Kangxi.

“Da antiga missão, ele foi provavelmente o jesuíta mais próximo ao imperador chinês”, avalia num ensaio Paul Rule, sinólogo australiano especializado em estudos religiosos.

Rule considera que o português foi mais do que um “perito estrangeiro”, tendo servido como “conselheiro próximo” e até “quase amigo íntimo” do imperador.

“Terá promovido mais efetivamente o cristianismo na China do que qualquer outro missionário durante o seu período”, escreve o académico.

Tomás Pereira jaz hoje nos jardins da embaixada portuguesa em Pequim, numa reconstituição da sua pedra tumular.

Trata-se de uma pedra de formato retangular, com quase quatro metros de altura, e esculpida com a ajuda do investigador chinês Yu Sanle, cujo trabalho é focado na presença dos primeiros jesuítas europeus na China.

Na fachada está gravado o Édito da Tolerância, escrito originalmente por Kangxi, numa invulgar demonstração de abertura à prática do cristianismo na China Antiga, e que terá resultado da proximidade do imperador ao missionário português.

A lápide original, colocada no cemitério jesuíta de Zhalan, no norte de Pequim, perdeu-se por completo, provavelmente destruída durante a revolta dos Boxers, o movimento nacionalista contra a presença estrangeira na China, no final do século XIX.

A reconstituição do jazido foi inicialmente proposta em 2005 por Mariano Gago, então ministro português da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e concluída este ano com o financiamento do Instituto Camões e da Fundação Gulbenkian.

A sua primeira exibição em público foi em 1 de novembro passado, dia do aniversário de Tomás Pereira, e contou com a presença dos embaixadores dos países fundadores da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), com exceção para São Tomé e Príncipe, que não tem relações diplomáticas com Pequim.

Educado na Universidade de Coimbra, Tomás Pereira rumou a Goa em 1666. Seis anos mais tarde, estabeleceu-se em Macau, então sob administração portuguesa.

Ao saber da existência no território de um jovem jesuíta com conhecimentos de música e astronomia, Kangxi chamou-o a Pequim.

Em 1675, Tomás Pereira foi submetido a uma audiência na corte e nomeado para dirigir o Observatório Astronómico de Pequim.

Na capital da China, adquiriu o nome chinês ‘Xu Risheng’, cuja tradução é “Sol que nasce aos poucos”.

JOYP // PJA – Lusa/Fim
O observatório, mostrando a esfera armilar e outros instrumentos astronômicos, Pequim, 1874 (Biblioteca Digital Mundial)

O observatório, mostrando a esfera armilar e outros instrumentos astronômicos, Pequim, 1874 (Biblioteca Digital Mundial)

Leia também:

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES