Saudade: é sabido que não há em outra língua, que não a portuguesa, vocábulo que traduza esse substantivo abstrato. Para vertê-lo para outro idioma, só através de uma locução.

Mas — pergunta-se — de onde veio essa jabuticaba sentimental, quais as suas raízes, e que etimologia a explica?

Um livro de crônicas de Julio Dantas — “Abelhas Doiradas” —, publicado em 1925, nos dá uma lição sobre o surgimento dessa palavra tão cara aos enamorados e aos poetas. Uma das melhores crônicas do livro chama-se precisamente: “A Saudade”.

Vejamos o que diz a respeito o ilustre escritor, historiador e dramaturgo português: saudade (palavra que parece que canta, que palpita, que estremece e que chora, diz Dantas) aparece pela primeira vez no “Cancioneiro da Vaticana”, que, para quem não sabe, é uma coleção que reúne mais de mil canções dos trovadores galego-portugueses, que nos séculos XIII e XIV faziam suas apresentações para os reis, para os nobres ou para o simples populacho. Essa coletânea, recopiada no século XV, encontra-se hoje na biblioteca do Vaticano — daí seu nome. Ali aparece pela primeira vez nossa palavra, sob as formas arcaicas de “soydade” e “suydade”, mas já com seu sentido atual — e permanente — de sentimento de si (certa pessoa), ou melhor, sentimento de sua ausência (da ausência daquela pessoa).

Mais precisamente, quem pela primeira vez a deixa registrada, é um trovador da corte de D. Afonso III (quinto rei de Portugal, cujo reinado durou de 1248 a 1279), chamado Fernão Fernandes Cogominho, que se dirige a uma dama, cuja ausência lhe oprime o peito: “Non queredes viver migo, e moiro de soydade”.

Também de saudade padece o rei poeta e trovador português D. Dinis, (sexto rei de Portugal, de 1279 a 1325), que chora a ausência da rainha: “Que soydade de minha senhora ey”.

E no reinado seguinte, de Afonso IV (que durou de 1325 a 1357), quando embarcados os soldados portugueses para a Batalha do Salado, contra os mouros, choram na voz do poeta da corte João Zorro, as mulheres que ficam, angustiadas, à espera dos maridos: “Mete El-rei barcas no rio forte; Quem amigo há, que Deus lho amostre; A La vai madre; Oj’ey suydade”.

Vê-se que nossa palavra convive com os pobres e com a realeza, pois a ela e seus efeitos nem reis estão imunes. Tanto que outro rei — D. Duarte, que também foi escritor — irmão do mais importante dos portugueses, o Infante D. Henrique, comenta: “Suydade he sentida mais com prazer do que com tristeza”. Este rei filósofo é o primeiro a notar que não existe palavra equivalente fora da língua de Portugal. É seu o comentário: “Pa­rece-me este nome de suydade tam próprio que o latym, nem outra linguagem que eu saiba, nom he para tal sentido semelhante”.

D. Duarte, que deixou escritos, separa os sentimentos da dor, da tristeza, do aborrecimento e da saudade, e define este último: “suydade propriamente eh sentido que o coraçom filha por se achar partydo da presença d’alguma pessoa que muito por afeiçom ama, ou o espera cedo de seer; e isso medes dos tempos e lugares em que por deleytaçom muito folgou; digo afeiçom e deleytaçom porque sem sentimentos que ao coraçom pertencem, donde verdadeiramente nace a suydade”.

É D. Francisco Manoel de Melo (1608-1666), o turbulento mas talentoso fidalgo, escritor, dramaturgo, militar e namorador português que define a saudade como “essa paixão que só nós sabemos o nome, chamando-lhe saudade, filha do amor e da ausência”. E que arremata: “He a saudade huma mimosa paixão d’alma, e por isso tão subtil, que equivocamente se experimenta, deixando-nos indistinta a dor, da satisfação. He um mal de que se gosta e um bem que se padece…”.

É natural que quem não tenha o português como língua materna se intrigue com o vocábulo. No final dos anos 1960, trabalhei por uma temporada no Paraguai. Muitas vezes perguntaram-me por Mário Palmério. É que o escritor mineiro havia sido nosso embaixador em Assunção, em 1961, quando Jânio Quadros, em sua breve passagem pela Presidência da República, resolveu nomear intelectuais como chefes de representações diplomáticas brasileiras mundo afora.

Mário Palmério, que eu conhecia, fora para o Paraguai nessa leva. Mário era extremamente social e um boêmio refinado, pois ligava a boemia à cultura. Fizera inúmeras amizades no Paraguai, e eram esses seus amigos que pediam notícias. Sentimental, poeta, permanente enamorado, o embaixador suspirava de saudades do Brasil, e não escondia o fato. Cansado de explicar o que era saudade para os paraguaios, acabou compondo em letra e música uma bela guarânia, que gravou primeiramente em espanhol, para esclarecer seus amigos em Assunção. Depois a traduziu, e foi muito gravada e tocada no Brasil. É uma terna canção, que faz sucesso até hoje. O leitor por certo a conhece, mas vale lembrar a bela letra:

“Se queres compreender o que é saudade
Terás que antes de tudo conhecer
Sentir o que é querer, o que é ternura
E ter por bem um grande amor, viver

Então compreenderás o que é saudade
Depois de ter vivido um grande amor
Saudade é solidão, melancolia
É nostalgia, é recordar, viver”

Fonte: http://www.jornalopcao.com.br/colunas-e-blogs/contraponto/saudade-palavra-unica-da-lingua-portuguesa-gera-sensacao-de-estranhamento-e-encantamento-17804/

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar