Além dos espetáculos, serão oferecidas até o dia 21 de novembro dez oficinas e duas conferéncias, na região metropolitana da cidade de São Paulo, no litoral e no interior do Estado.

Entre as companhias participantes estão três brasileiras, quatro portuguesas, cinco africanas e uma do Timor-Leste, segundo Creusa Borges, diretora do grupo brasileiro Dragão 7, que organiza o evento.

“A arte consegue retratar o país, política, social e historicamente. Através do teatro conseguimos ter noção do que se passa nos outros países e em regiões brasileiras distantes de nossas cidades”, disse Creusa Borges à agência Lusa.

O foco do evento está em todos os países de língua portuguesa, mas o facto de ele ser realizado em novembro, mês da Consciência Negra no Brasil, permite a sua inclusão em atividades relativas à África e aos afro-brasileiros, acrescentou.

As apresentações serão gratuitas, mas a organização pede aos espectadores que levem um quilo de alimentos não perecíveis ou um objeto de higiene pessoal, que serão doados a duas entidades de atendimento a toxicodependentes da região metropolitana de São Paulo.

Os grupos participantes são Lareira, de Moçambique; Teatro do Oprimido, da Guiné-Bissau; Henrique Artes, de Angola; Os Parodiantes da Ilha, de São Tomé e Príncipe; Sikinada Cia de Teatro, de Cabo Verde; Cia de Teatro Constantino Nery, Teatro Extremo, Cia Chão de Oliva e Teatro Art’Imagem, de Portugal; e Experiência, Oficina e Dragão 7, do Brasil.

 

FYB // ARA – Lusa/Fim

Foto: O actor Pedro Gil durante o ensaio para a imprensa de “Multiplex”, nova criação de Rui Horta a partir de “Memórias de Adriano” de Marguerite Yourcenar, com direção, luzes e espaço cénico de Rui Horta, interpretação de Pedro Gil e Silvia Bertoncelli, música original de Tiago Cerqueira, vídeo de Guilherme Martins, estreia dia 08 de novembro Pequeno Auditório, Centro Cultural de Belém, 06 novembro 2013. ANDRE KOSTERS/LUSA

Partilhar