A viagem de São Vicente para Santo Antão durava horas, com o mar fustigando de forma inclemente a frágil embarcação que se dava pelo nome de Gavião dos Mares. Mas só  quando fundeávamos ao largo do Paul, é que se via que a viagem, afinal, tinha sido boa. Tudo porque nos aguardava o espetáculo mais insólito que me foi dado viver em criança. Assim que fundeávamos, pequenos botes, conduzidos a remo por possantes homens do  mar, encostavam-se ao maltratado casco do Gavião e mediante uma escada de corda, lá íamos descendo completamente trôpegos, mulheres, crianças, homens e mercadorias, para as pequenas embarcações que pareciam autênticas cascas de nozes a boiar num mar  azul-escuro, denso e revoltoso.

Mal instalados nos botes, molhados por ondas alterosas, entre “ais” e “uis”, lá  conseguíamos chegar ao cais de pedra do Passo. Parecia que tínhamos chegado à boca do  inferno e nada podia fazer-nos acreditar que escaparíamos da fúria do mar batendo no  cais.

É que uma vez o bote amarrado ao cais, os homens do remo iam ajudando os passageiros a saltarem para a terra, isso quando eles literalmente não nos atiravam para os braços robustos dos homens que nos recolhiam no cais.

A viagem de regresso era mais pavorosa, pois às pessoas juntavam-se os animais (cabras, porcos, galinhas) que iam enriquecer os mercados do Mindelo. O vómito e os choros das crianças rolavam soltos pelo convés e a cada onda mais violenta eram invocados os nomes  da virgem Maria e do nosso senhor Jesus Cristo para nos ajudarem naquela travessia mais  que dificultosa.

Esta autêntica via-sacra repetia-se ano após ano, durante as férias escolares que  começavam em julho e terminavam em setembro.

Mas por aí se quedavam as nossas angústias, pois desde o primeiro instante em que  pisávamos terra firme a alegria mais radiosa e ruidosa tomava conta de nós. A partir daquele momento iríamos desfrutar da enorme liberdade que só o campo  proporciona e só as crianças conseguem gozar.

Começava mesmo ali pertinho na propriedade da tia Mariazinha, que tinha o trapiche  mais emblemático e mais cheio de estórias da ilha.

Aí trapichava o boi Napoleão, para nós o símbolo de Blimundo, pois era forte, negro e de  olhar ternurento. Soube depois que trapichou por vinte e cinco anos, um recorde nunca  atingido por nenhum outro boi.

A seguir à propriedade da tia Mariazinha, vinha a boniteza da casa e da propriedade do  tio Júlio, que era administrador do Concelho; lá comíamos bolos sofisticados e bebíamos  limonadas frescas saídas de um enorme frigorífico a petróleo; finalmente, passando pelo Eito, chegávamos a Fornalha, o lugar mais lindo que já vi. Atravessávamos a ribeira verdadeiramente de águas cantantes nas bananeiras, passávamos pelas levadas para  chegar ao pátio imenso onde imperava um magnífico e secular pé de fruta-pão, para nos  entregarmos à ternura da minha linda e meiga mamã Gugú e do austero, mas simpático, papá Jansen.

A partir daí eram só delícias: ir pelo canavial adentro chupar cana, comer mangas debaixo  das mangueiras, subir aos pés de araçá e de goiaba, furtar a deliciosa e preciosa banana  prata ou então ir aos galpões beber calda de cana que fermentava em barris enormes. Isto  para além de tudo o resto, saltar os plares, nadar nos tanques e ribeiras, apanhar camarões  e fdalgas* que assávamos na brasa e aí ao cair da noite ouvir as assombrosas estórias de  gongons*, capotonas*, canelinha* e das bruxas que anualmente se reuniam no Curral da  Russa lá nos confins de Lagoa.

A ilha era ainda os longos passeios de várias horas entre mulas e cavalos, as deslocações  a Povoação e à Ponta do Sol verdadeiramente deslumbrante, o calor abrasador de Porto Novo, tudo misturado com as muitas brincadeiras e traquinices que eu e meus irmãos  juntos com uma data de primos fazíamos ao longo das férias.

Santo Antão é a terra da minha mãe e de toda a minha família materna. Lá aprendi a  admirar a natureza e a ela dedico o meu amor mais arreigado e profundo.

Praia, maio de 2012.

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

Vera Duarte

Vera Valentina Benrós de Melo Duarte Lobo de Pina nasceu em Mindelo, S. Vicente, Cabo Verde. É Juíza Desembargadora, poeta e escritora, formada em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa. Membro das Academias Cabo-verdiana de Letras, de Ciências de Lisboa, Gloriense de Letras. Foi Ministra de Educação Ensino Superior, Presidente Comissão Nacional Direitos Humanos e Cidadania, Conselheira do Presidente da República e Juíza Conselheira do Supremo Tribunal de Justiça. Integrou organizações como Centro Norte-Sul Conselho d`Europa, Comissão Internacional Juristas, Comissão Africana Direitos do Homem e Povos, Associação Mulheres Juristas e Federação Internacional de Mulheres de Carreira Jurídica. Recebeu várias condecorações É poeta e autora de vários romances.

últimos artigos de Vera Duarte (ver todos)

Partilhar