A primeira ilha, a ilha que abriga a cidade do mais antigo nome, a Cidade Velha, berço  da nacionalidade. Foi pensando nela que António Nunes nos ofereceu um dos mais belos  poemas do nosso património cultural: “Sonho que um dia estas leiras de terras quer sejam  Mato Engenho Dacabalaio ou Santana filhos do nosso esforço frutos do nosso suor serão  nossas”.

Cumpriram-se os versos premonitórios. Hoje Cabo Verde é um país independente e Praia, a sua orgulhosa capital. E é nesta ilha de Santiago sem limites e sem fronteiras que convergem os povos das ilhas, os emigrantes africanos e os expatriados dos quatro cantos do planeta.  

Praia, a capital que cresceu desordenadamente por bairros clandestinos e pomposas zonas residenciais, humaniza-se e embeleza-se. Hoje ela é palco central da política e da economia do país.  

E para nós, os habitantes da cidade, que já levamos mais tempo de Praia do que nas nossas  ilhas de origem, é curioso notar como da desordem que sucedeu à estagnada ordem inicial, uma nova ordem se está construindo mais aberta, mais humana e mais equitável. Praia, cidade de todos, está se tornando cidade para todos.  

Mas Santiago não é só Praia. Ela se estende, como disse o poeta, de Mato Engenho a Santana; estende-se pelo planalto interior e demanda Santa Catarina das revoltas de Rubon Manel; sobe pela Serra da Malagueta para se espraiar pelo Tarrafal de memórias  de resistência; desce para a Cidade Velha, relembrando o vergonhoso tráfico de homens escravizados; e sobe pelo vale verdejante de São Jorge dos Órgãos, lembrando coloridas festas religiosas. 

Esta é a Santiago em que vivemos. Uma ilha que guarda em si a memória de quando o primeiro navegador, descendo do seu escaler, pisou terra firme e se projeta  desassombradamente para um terceiro milénio feito de barragens e correção torrencial, de PDM´s e casas para todos, de energias renováveis e programas “mundu novu”. 

E nos ares sempre o som do batuque, tabanca e funaná hoje acompanhados da morna e coladeira, os afro-djazzs e todos os sons que a modernidade e a abertura nos vêm  oferecendo.  

À sombra de uma mangueira e ao som de uma ribeira de águas límpidas, aqui construí a  minha casa transitiva.

Praia, maio de 2012.

Ministra da Educação de Cabo Verde, Vera Duarte e a cooperação portuguesa oferece material escolar e uniformes a 350 alunos carenciados da capital cabo-verdiana, entregues a uma associação juvenil que apoia 900 crianças e jovens da Cidade da Praia, 19 de Setembro de 2008. FERNANDO PEIXEIRO / LUSA

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

Vera Duarte

Vera Valentina Benrós de Melo Duarte Lobo de Pina nasceu em Mindelo, S. Vicente, Cabo Verde. É Juíza Desembargadora, poeta e escritora, formada em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa. Membro das Academias Cabo-verdiana de Letras, de Ciências de Lisboa, Gloriense de Letras. Foi Ministra de Educação Ensino Superior, Presidente Comissão Nacional Direitos Humanos e Cidadania, Conselheira do Presidente da República e Juíza Conselheira do Supremo Tribunal de Justiça. Integrou organizações como Centro Norte-Sul Conselho d`Europa, Comissão Internacional Juristas, Comissão Africana Direitos do Homem e Povos, Associação Mulheres Juristas e Federação Internacional de Mulheres de Carreira Jurídica. Recebeu várias condecorações É poeta e autora de vários romances.

últimos artigos de Vera Duarte (ver todos)

Partilhar