Lisboa, 25 nov (Lusa) – O repositório científico da CPLP deverá estar concluído até 2020, tendo arrancado já com os de Portugal e Brasil, visando “democratizar” o acesso ao conhecimento no espaço lusófono, disse hoje à Lusa fonte da organização.

Arlinda Cabral, responsável pela Educação, Ciência e Tecnologia na Direção de Ação Cultural e Língua Portuguesa do Secretariado Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), salientou a “preocupação” de tornar acessível aos 250 milhões de falantes, a informação e conhecimento científico dos nove Estados membros da organização.

Para já, e ao abrigo de um acordo bilateral, Portugal, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e da Universidade do Minho (UM), e Brasil, com a Fundação CAPES do Ministério da Educação, já colaboram numa rede científica que, na segunda fase do programa, será alargada a Angola, Cabo Verde e Moçambique.

Estes três Estados, assegurou Arlinda Cabral, já têm um repositório nacional que está a ser ultimado de forma a tornar possível integrá-los na rede entre 2016 e 2018, prevendo-se que o da Guiné-Bissau – está em curso a recuperação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), destruído na guerra civil de 1998/99 – possa integrar a plataforma na mesma altura.

Na terceira fase será a vez dos três restantes Estados membros da CPLP – Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste -, que ainda não dispõem de um repositório científico próprio.

Arlinda Cabral

Arlinda Cabral

Arlinda Cabral lembrou que o programa consiste numa ação identificada como prioritária pelos Estados membros da CPLP no domínio da Tecnologia, Ciência e Ensino Superior, numa reunião dos respetivos ministros em abril de 2013 em Maputo.

Nessa altura, foi aprovado o plano estratégico de cooperação multilateral nesse domínio, tendo como “pressuposto fundamental” identificar projetos “com o menor custo possível, mas com o maior impacto possível”.

Daí, relembrou, saíram duas ações prioritárias – o Portal do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia da CPLP, já em funcionamento, e o Repositório Científico – Portal de Acesso Aberto da CPLP.

“Há a preocupação de tornar acessível informação e investigação a toda a nossa comunidade académica e científica. É um passo significativo para democratizar o acesso ao conhecimento científico e contribuir para a melhoria da qualidade dos nossos sistemas académicos e da qualificação dos nossos investigadores”, realçou.

Segundo Arlinda Cabral, nascida em Cabo Verde mas residente desde os nove meses em Portugal, onde se licenciou em Ciências da Educação e fez o mestrado e doutoramento em Sociologia, Educação, Conhecimento e Cultura, sempre na Universidade Nova de Lisboa, o programa constitui uma forma “inovadora” de aproveitar as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

Nesse sentido, além de facilitar o acesso livre aos repositórios científicos dos Estados membros da CPLP, o programa disponibiliza softwares livres e acervos bibliográficos de acesso à produção científica, como teses de mestrado e doutoramento sobre e da CPLP, e deverá integrar redes regionais e internacionais.

“A grande valia é ter os melhores especialistas dos países da CPLP”, sublinhou Arlinda Cabral, lembrando a possibilidade de capacitar e dar recursos a investigadores, professores e estudantes, fomentando, paralelamente, a participação de todos.

JSD // EL – Lusa/Fim

.

I Reunião da Comissão Temática de Educação, Ensino Superior, Ciência e Tecnologia dos Observadores Consultivos da CPLP. 25 de março de 2015

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar