Entre as várias dúvidas que o domínio da língua portuguesa tantas vezes causa, há uma que, apesar de passar relativamente despercebida, é bastante assídua. 

 
Quando é que dizemos apenas que ou de que?


Ora, é muito simples, saber se utilizamos que ou de que com determinados verbos ou substantivos e adjectivos depende de um conceito de que já aqui falámos algumas vezes: a regência. Para relembrar, a regência refere-se, nada mais nada menos, do que à relação entre uma determinada palavra e seus dependentes. 
 
Quando falamos da regência verbal falamos do facto de alguns verbos precisarem de preposições para darem “entrada” nos complementos e outros não. Já no caso da regência nominal a palavra regente é sempre obrigatoriamente preposicionada. 
 
Assim, empregamos de que, quando o verbo que antecede este de que exige a preposição de (isto é, é regido pela preposição de).

Exemplos:
1.1. «Lembrei-me de ir a casa do João.»1.2. «Lembrei-me de que é urgente ir a casa do João.»

2.1. «A Maria esqueceu-se de me trazer as chaves.»

2.2. «A Maria esqueceu-se de que tinha de me trazer as chaves.»

 

No caso dos substantivos e adjectivos, saibam que há alguns que requerem a preposição de, como é o caso de certeza, ideia, argumento, medo, vontade ou seguro, indeciso e hesitante. Nestes casos o que não é uma pronome relativo (como em «O carro que eu comprei é verde»), mas uma conjunção integrante. Assim, não pode ser substituído por “o qual” e, consequentemente, não pode dissociar-se do seu amigo de. 

Exemplos:

3. «Tenho a certeza de que o Paulo me vai ajudar.»

4. «Tenho ideia de que deixei a minha carteira no carro.»

5. «Ela mostrou vontade de que ele voltasse cedo.»

6. «Eu tenho medo de que ela não chegue a tempo.»

 

Por outro lado, não empregamos de que, mas apenas que, quando o verbo de modo nenhum exige a preposição de.

Por exemplo:

7. «A Universidade de Lisboa participa que estão abertas as inscrições».


8. «Quais são as disciplinas que mais detestas?»
 

9. «Pensas que é preciso gritares para te fazeres ouvir?»

10. «Tenho tudo o que precisas.» – sobre este último exemplo leia-se o esclarecimento do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Claro?
Óptimo! A Escrivaninha ajuda-vos sempre que se esquecerem de que a língua é matreira!
Partilhar