24 February 2021
Jovens moçambicanas leem alguns dos livros que se encontram exposto na biblioteca da Escola Polana caniço, inaugurada hoje em Maputo, Moçambique, 15 de abril de 2011. ANTÓNIO SILVA/LUSA

Promoção de leitura junta 30 escolas primárias em Maputo

Maputo, 06 nov (Lusa) – Trinta escolas primária de Maputo participaram até hoje nos quatro dias da 04.ª edição do festival “Escolas Com Livros”, uma iniciativa que visa desenvolver o gosto pela leitura nos alunos e que teve apoio da Cooperação portuguesa.

A iniciativa, apoiada pela Embaixada de Portugal, através da Escola Portuguesa de Moçambique, foi desenvolvida em coordenação com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, tendo juntado 30 escolas primárias, das quais duas foram beneficiadas com bibliotecas.

“Este é um projeto que visa desenvolver a boa capacidade de leitura das crianças, um elemento que facilita, posteriormente, a boa avaliação académica do aluno em qualquer área”, disse à Lusa o embaixador de Portugal em Moçambique, José Augusto Duarte, falando à margem da cerimónia de encerramento do festival em Maputo.

Durante o encerramento, foram apresentadas peças de grupos teatrais das escolas participantes e os organizadores premiaram os alunos que mais se destacaram nos concursos de literatura, desenho e artes, como forma de orientar e incentivar as crianças a desenvolverem o gosto pelas respetivas áreas.

“Se a criança tiver maior capacidade de leitura, por exemplo, terá maior criatividade. É a formação de um ser humano através da leitura”, afirmou José Augusto Duarte, admitindo, no entanto, que Moçambique ainda tem um “longo percurso pela frente” no que respeita à educação.

“O trabalho que nós estamos a fazer é uma gota de água no meio de um oceano e, portanto, eu acho que todos devemos fazer alguma coisa”, sublinhou o diplomata, manifestando o interesse da sociedade civil portuguesa em continuar a apoiar a educação no país.

Por sua vez, a diretora da Escola Portuguesa, Dina Trigo de Mira, disse à Lusa que a intenção é criar uma substancial rede bibliotecária, um elemento indispensável no percurso estudantil das crianças.

“Quem lê mais sonha, mais viaja e mais conhecimento tem”, afirmou a diretora da Escola Portuguesa de Moçambique, acrescentando que este tipo de iniciativas faz a diferença e ajuda o país no que respeita à superação dos desafios no setor da educação.

EYAC// APN – Lusa/Fim
Jovens moçambicanas observam alguns dos livros que se encontram exposto na biblioteca da Escola Polana caniço, inaugurada hoje em Maputo, Moçambique, 15 de abril de 2011. ANTÓNIO SILVA/LUSA

Jovens moçambicanas observam alguns dos livros que se encontram exposto na biblioteca da Escola Polana caniço, inaugurada hoje em Maputo, Moçambique, 15 de abril de 2011. ANTÓNIO SILVA/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários