Ana Paula Laborinho falava hoje à agência Lusa na Cidade da Praia no quadro de uma visita técnica de 24 horas a Cabo.

Segundo a presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, o projeto, delegado pela União Europeia e com supervisão técnica da Agência de Modernização Administrativa (AMA) de Portugal, vai apostar no desenvolvimento da governação eletrónica nos institutos e serviços públicos de Cabo Verde, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Timor-Leste.

“Evidentemente que não vai resolver todos os problemas nos diferentes países, na medida em que estão em diferentes estádios de desenvolvimento em termos de governação eletrónica”, reconheceu Ana Paula Laborinho, destacando o nível mais avançado na governação eletrónica de Cabo Verde, país onde o projeto está instalado.

“Isto revela que Cabo Verde está num ponto muito mais avançado em termos de governação eletrónica e outros países estão a caminhar para lá. Este projeto pretende introduzir melhorias no sistema e, eventualmente, fazer o ponto da situação nas áreas que forem identificadas para cada um dos países em termos de prioridades para o desenvolvimento”, reforçou.

“Cabo Verde terá um papel importante, tendo em conta o seu desenvolvimento em matéria de governação eletrónica. Mas a sua experiência também permite dizer o quão importante é para os países de África e Timor Leste também próprios avancem neste sentido”, prosseguiu.

Durante a sua estada em Cabo Verde, Ana Paula Laborinho visitou várias entidades, incluindo o Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSi), que tem desenvolvido o sistema de governação eletrónica e que desperta o interesse de vários países.

Nas declarações à Lusa, a presidente do instituto Camões disse que outro objetivo do projeto, que terá a duração de três anos, é fazer os países desenvolverem projetos de inovação, como forma de internacionalizar a língua portuguesa.

“Para a internacionalização de uma língua é preciso inovação”, sustentou, dizendo que as questões de governação eletrónica são também de cidadania, uma vez que ajudam a aproximar os Governos dos cidadãos e facilitar a vida dos cidadãos.

Ana Paula Laborinho disse também “quanto mais próximo os Governos estiverem dos cidadãos, mais desenvolvimento revelam e, do ponto de vista da democracia, revelam os seus avanços. E é isso que todos queremos”, salientou.

No próximo mês de abril, indicou Ana Paula Laborinho, o comité de direção reúne-se para aprovar os projetos de cada país e os seus respetivos orçamentos, para depois avançar com a sua concretização.

Ana Paula Laborinho veio a Cabo Verde à frente de uma missão técnica, que integrou também o presidente da AMA, Paulo Neves, e quadros do Camões – Instituto de Cooperação e da Língua.

RYPE // EL – Lusa/Fim

Fotos:

– Vista parcial da sede do Camões,  Instituto da Cooperação e da Língua. ANTONIO COTRIM / LUSA

– Foto datada de 7 de outubro de 2004 mostra uma mulher que caminha sobre um mapa de África. Centro de África para a Saúde e Estudos Populacionais, bairro Hlabisa de Kwa-Zulu Natal, África do Sul. EPA / JON HRUSA

Partilhar