Pela deliberação dos Membros do Benemérito Movimento Internacional Lusófono sou agraciado com o “Prémio Personalidade Lusófona do Ano de 2010”.

De facto, quando fui notificado pelo Dr. António Borges, via telefónica que havia sido nomeado, mais tarde, notificado pelo Presidente, Dr. Renato Epifânio, a minha primeira reacção foi: “Personalidade do Ano?”. Mas por quê eu? Eu que não fiz nada de extraordinário pelo Movimento Internacional Lusófono?

(…)

É uma realidade que a Língua Portuguesa une de diversas etnias, culturas e religiões!”Obviamente a Lusofonia não se esgota no comum uso da língua, mas de tudo o que o diálogo por ela possibilitado e facilitado proporciona: na aproximação dos países, na economia na religião, na ciência, no desporto, em todos os alinhamentos, também políticos” (Dicionário de Lusofonia, p. 654).
Sendo o Português, além do Tétum, a língua oficial de Timor-Leste art. 13 da Constituição da RDTL), é nossa obrigação trabalhar que esta língua se expande e sirva de uma janela aberta para os Timorenses na sua comunicação com o Mundo.

O Português foi introduzido em Timor na segunda metade do século XVI através dos mercadores portugueses que aportavam as costas marítimas de Timor para o comércio do sândalo. Nesse período em toda a área da Insulindia, desde Malaca a Timor, desde Sumatra às Ilhas Molucas falava-se o Malaio (a língua franca do mercadores portugueses, chineses, indianos e javaneses). A presença dos Portugueses nessas regiões fez com que pouco a pouco termos portugueses viessem a enriquecer o Malaio. Concretamente, em Timor, as primeiras escolas surgiram coma a abertura das missões fundadas pelos missionários dominicanos. Nos reinos onde eles erigiam uma capela ou igreja aí abriam também uma escola.

Em 1562, estabeleceu-se em Solor a primeira comunidade de frades dominicanos. Sobre a actividade desses pioneiros da missionação na Insulindia, diz uma crónica: “ Em um lanço da fortaleza, instituiu Frei António da Cruz um seminário, onde residia o vigário geral, e aí recolhia meninos de todas as ilhas vizinhas, os quais andavam vestidos de opas brancas, e se lhes ensinava a doutrina cristã, se formavam em bons costumes e aprendiam a ler e a escrever a língua latina e portuguesa, contando o seminário em 1596 mais de cinquenta alunos” (Casimiro Cristóvão Nazaré, Mitras Lusitanas no Oriente; A. Faria de Morais, Solor e Timor, p. 91).

Em 1633, indo da ilha de Savu (Sabu, NTT), aportou à costa ocidental de Timor, no reino de Amabi, o padre frei Rafael da veiga que foi acolhido pelo regulo. Nessa povoação levantou o frade uma igreja e uma escola. Por ordem régia de 8 de Outubro de 1738 determinou-se que se estabelece em Timor um seminário para educar os naturais para o serviço das missões, e que esse Seminário fosse dirigido pelos padres da Cruz dos Milgares (Documento Sarzedas, nº 8, A. Faria de Morais, Solor e Timor, p. 141).

O Bispo de Malaca Bispo Dom António de Castro (1738-1742) tomou a peito essa recomendação régia, e, em 1742, entrava em funcionamento o Seminário de Oe-Cusse. A direcção do seminário foi entregue a dois sacerdotes Oratorianos, ou padres dos Milagres da Cruz. Em 1747, entrava em funcionamento um segundo seminário, em Manatuto, junto da comunidade dos padres dominicanos naquele reino. Não sabemos quantos sacerdotes ou seminaristas teriam saído daqueles dois seminários. Mas a influência das escolas dos frades espalhadas pelo território foi grande. Apraz recordar aqui a visita que o capitão de um navio francês François Etiénne de Rosely fez a Timor, em 1772 Uma das impressões que colheu foi esta:” “Quase todos os chefes falam português e nos reinos vizinhos dos portugueses é a língua geral (…). Conheci alguns muitos sensatos, espirituais, engenhosos, sinceros e de boa fé, entre os quais, um que me pareceu um muito versado em história da Europa” (Luís Filipe Thomaz, art. Solor e Timor, in Dicionário de História Religiosa de Portugal, vol. IV, p. 291).

Minhas senhoras e meus senhores. Muito teria para contar a respeito da educação e do ensino da língua portuguesa em Timor ao longo dos séculos XVIII, XIX e XX. Mas o tempo não permite mais delongas.  Antes de terminar, tomo a liberdade de contar um facto: Vou cingir-me apenas a um episódio de um régulo que morreu no calabouço de Aipelo, a 15 km a oeste de Dili. Trata-se do régulo de Laleia (terra de Xanana Gusmão), Dom Feliciano Pires, brigadeiro régulo. Em 1888, foi a Dili prestar o juramento de Vassalagem ao rei de Portugal.

Era um homem culto. A seu respeito, escreveu o médico naval de 1ª classe António José Gonçalves que prestava serviço da canhoeira Diu que participou na campanha contra o reino de Maubara, em 1893. “ D. Pires, régulo de Laleia, foi nosso hóspede a bordo durante bastantes dias. Educado desde criança pelo governador Hugo de Lacerda (1873-1876; 1878-1880)., falava correctamente português e francês. Sabia a gíria dos frequentadores da Mouraria, de certo aprendida com soldados que iam para Timor. Foi bem quisto do governador; mas mais tarde, tendo-se descoberto um complot contra o nosso governo, foi denunciado como chefe da conspiração. Foi preso e enclausurado na prisão de Aipelo e lá morreu, dizem uns tuberculoso, dizem outros que o mataram. (in Adelino Rodrigues da Costa, Os Navios e os Marinheiros Portugueses em Terra e nos Mares de Timor, Lisboa, 2005, p. 131).

Em 1935, escrevia o antigo Aministrador da Circunscrição de Baucau, Tenente Armando Pinto Correia: “D. Pires foi preso pelo próprio governador [ José Celestino da Silva], por ocasião dum jantar que lhe deu a bordo do Dily, surto em Laleia, evitando assim a insurreição que ele projectava com outros maiorais. Encarcerado no presídio de Aipelo, aí veiu a morrer, tendo, ao que se diz, deixado um exemplar dos Lusíadas que, durante o seu tempo de prisão, marginou de comentários. Vê-se pelo ofício do seu punho, arquivados em Baucau, que era um indígena culto, escrevendo com pureza e correcção, mas com a volúpia da intriga, creando a cada passo, azedos conflitos com os régulos fronteiros.” (Armando Pinto Correia, Gentio de Timor, p.200).

Para terminar: Há autores que, além de Lusofonia e Lusografia, falam de Lusofilia, que é o amor pelas cosas portuguesas, que considera e promove o Português por ser a língua comum, mas também por querer valorizar e promover outras línguas e realidades dos povos dos países lusófonos.
É nesse aspecto que queria saudar e apoiar todos os esforços que o Movimento Internacional Lusófono está desenvolvendo, em prol do conhecimento de todas as realidades dos Países da CPLP e das Comunidades falantes da Língua portuguesa, espalhadas pelo Mundo: a cultura, as artes, o turismo, o desenvolvimento humano, etc. etc.
Faço minhas as palavras do segundo princípio básico do Movimento Internacional Lusófono e dou o meu total apoio ao espírito e letra deste grande princípio: “ As nações e os 240 milhões de falantes da Língua Portuguesa em todo o mundo constituem uma comunidade histórico-cultural com uma identidade, vocação e potencialidade singular, a de estabelecer pontes, mediações e diálogos entre os diferentes povos, culturas, civilizações e religiões, promovendo uma cultura da paz, da compreensão, da fraternidade e do universalismo à escala planetária”.

 

Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011.
Dom Carlos Filipe Ximenes BeloAdministrador Apostólico emérito de Dili.

Prémio Nobel da Paz de 1996.

 

FONTE: Tempo semanal

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar