Entre as 380 obras a concurso estão os portugueses Gonçalo M. Tavares, Inês Pedrosa, João Tordo, Ernesto Manuel Geraldes de Melo e Castro e o angolano José Eduardo Agualusa.
De acordo com o regulamento o Júri inicial que é formado pela Curadoria do Prémio e por 311 profissionais seleccionados, entre escritores, professores e críticos literários de todas as regiões do Brasil, votou individualmente em cinco livros dos títulos inscritos no início do ano, chegando deste modo aos 50 classificados para esta etapa.
De seguida o mesmo Júri elegeu 11 nomes de entre os seus membros para, junto com os quatro curadores, compor o Júri intermediário que, em Setembro, escolherá os 10 escritores  finalistas.
Após a divulgação das obras, os curadores, despois de fazerem uma análise do que tinham entre mãos, alertaram para o facto de que um dos objectivos principais do Prémio é estreitar o intercâmbio literário entre autores lusófonos e apresentar aos leitores uma geração de escritores que se tem vindo a afirmar desde o início deste novo milénio.
A presença de escritores jovens traz uma lufada de ar fresco ao certame deste ano e representa uma renovação na ficção, como é o caso do português João Tordo ou do brasileiro João Paulo Cuenca. 
Também a Poesia está presente, com quase um terço dos títulos, nesta edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura.

 

Zita Ferreira Braga

 

FONTE: Hard Música