Harare, 18 jan (Lusa) – O português é uma das línguas estrangeiras que vai integrar o currículo no ensino secundário no Zimbabué, a par do mandarim e do suaíli, anunciaram as autoridades nacionais.

O novo currículo escolar pretende preparar os jovens para a vida e o trabalho num ambiente globalizado, noticiou hoje o jornal The Chronicle.

A novidade foi bem recebida pelos professores do Zimbabué, que consideram que a introdução de línguas estrangeiras vai reforçar as capacidades dos estudantes.

“Temos países vizinhos, como Moçambique, que usam o português como língua oficial de comércio. Queremos que os nossos alunos possam usar estas línguas para que tenham sucesso na procura de oportunidades internacionais”, disse o responsável da Associação de Professores do Zimbabué, Sifiso Ndlovu.

“Uma vez que também estamos a promover o ubuntu, esperamos que este currículo ensine os nossos estudantes a também falarem outras línguas indígenas, para que apreciem outras culturas que celebramos” no país, referiu.

O responsável advertiu que o Governo deve apostar na formação dos professores com as competências para implementar as novas diretivas do currículo.

Atualmente, o Zimbabué tem três línguas oficiais: Shona, Ndebele e Inglês, que é o idioma de trabalho, além de outras 13 línguas faladas por grupos étnicos minoritários.

JH (MMT) // EL – Lusa/fim

Leia também:

Foto LUSA - O Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, 24 de abril de 2015. EPA/AGUS SUPARTO HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Foto LUSA – O Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, 24 de abril de 2015. EPA/AGUS SUPARTO HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Partilhar