Brasília, 14 set (Lusa) – A sétima edição do Slow Filme – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura Local, que decorrerá de quinta-feira a domingo, na cidade turística de Pirenópolis, no estado brasileiro de Goiás, contará com vários destaques portugueses.

Entre eles conta-se o lançamento, no Brasil, dos projetos portugueses “A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria” e “A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria”, criados pelo realizador Tiago Pereira, que estará presente no certame.

No total, no certame, serão exibidos 24 títulos no Cine Pireneus, entre curtas e longas-metragens, produzidos por vários países, como Espanha, Polónia, Portugal, Reino Unido, Suíça, Peru, Canadá, Japão e Brasil, segundo a organização, a cargo da Objeto Sim Projetos Culturais e do Instituto Pireneus.

Os projetos “recuperam tradições, adaptando-as para o mundo do século XXI ou apenas registando-as” e “reafirmam a importância de aprender com os antigos a respeitar as estações do ano e a sua oferta de alimentos, e a enxergar a produção regional como fonte generosa de ingredientes para a gastronomia”, de acordo com os organizadores.

O Slow Filme tem sido organizado sob o conceito de “quilómetro zero”, que propõe o consumo de alimentos que não tenham percorrido grandes distâncias até ao consumidor final.

Além de “Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria” e de “A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria”, de Tiago Pereira, também marcará presença o ‘chef’ português André Magalhães, eleito pela revista Wine como “Personalidade do Ano na Gastronomia” de Portugal, e a produtora Sílvia Canas da Costa, gestora da vinícola Quinta da Lapa, “uma das mais celebradas de Portugal”, segundo a organização.

No domingo, André Magalhães, que comanda a culinária da Taberna da rua das Flores, em Lisboa, vai preparar um menu especial em homenagem ao Slow Filme.

No festival, não vão faltar degustações de vinhos e azeites portugueses, bem como de produtos típicos do cerrado brasileiro.

A programação inclui ainda a “Oficina Xepa: Cozinha da Reciclagem e do amor”, com a ‘chef’ Regina Tchelly, criadora do projeto Favela Orgânica, que visa modificar a relação das pessoas com os alimentos, evitar o desperdício, cuidar do ambiente e combater a fome.

Sob a curadoria de Sérgio Moriconi, estarão expostas, no hall do Cine Pireneus, 22 capas de discos de vinil como parte da exposição “Natureza Móvel”, que traça um percurso da relação do homem com a natureza.

ANYN // MAG – Lusa/Fimslow-filme
Partilhar