Brasília, 16 fev 2022 (Lusa) – O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal e o secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) defenderam hoje a promoção conjunta e o potencial de crescimento do português e do espanhol no mundo, num evento organizado no Brasil.

Participando de forma remota na sessão de abertura da (CILPE), organizada de forma híbrida (online e presencial) a partir de Brasília, até sexta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, destacou o potencial da promoção conjunta das línguas ibéricas.

“Falamos de duas línguas que têm uma enorme projeção em todo o mundo, o português é a língua mais falada no hemisfério sul, o espanhol é uma das três línguas mais faladas do mundo. São línguas faladas em todos os continentes”, explicou o ministro dos Negócios Estrangeiros citando dados do relatório “Projeção Internacional do Espanhol e do Português: O potencial da proximidade linguística”, de 2020, desenvolvido em parceria pelo Instituto Camões e o Instituto Cervantes.

“São duas línguas jovens, duas línguas que verão esta amplitude e este impacto incrementar-se e aumentar ao longo das próximas décadas (…) no plano na comunicação entre as pessoas, no plano das artes e da criação literária, da cultura, no plano da economia, das trocas comerciais e dos negócios e no plano da influência política, designadamente nas organizações internacionais”, acrescentou.

No painel de abertura da CILPE, Zacarias Costa, secretário-executivo da CPLP, reafirmou que a instituição que congrega os países de língua portuguesa mantém interesse em atuar em favor da cooperação multilateral para formular políticas voltadas à promoção de línguas pluricêntricas como o português e também o espanhol.

“A língua constitui verdadeiramente o património identitário de nossos cidadãos, que todos os dias interagem através de um idioma em comum, nos mais diversos contextos culturais e que todos os dias se apropriam dela. Esta interculturalidade que a língua permite demonstra o enorme potencial que os idiomas como o português e o espanhol e promover a paz e o desenvolvimento”, defendeu Zacarias.

O secretário-executivo da CPLP, comunidade formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, participou no evento pessoalmente em Brasília nesta quarta-feira, último dia de uma viagem oficial ao país sul-americano, que começou no sábado.

Ao final de sua intervenção, Santos Silva lembrou que as conferências que juntam debates sobre o português e espanhol são mais um passo para que os falantes destes idiomas possam tirar partido do potencial gerado pelo incentivo a formação de uma comunidade bilíngue (português – espanhol) através da educação, da pesquisa, da cultura e do trabalho conjunto dos diferentes institutos e departamentos governamentais dos países envolvidos.

“Quando projetamos as nossas línguas, projetamos internacionalmente um espaço e uma história que nos é comum”, concluiu o ministro português.

A 2.ª edição da CILPE decorre até sexta-feira (18), tem como tema “Línguas, Cultura, Ciência e Inovação”, e é promovida pela Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI), em parceria com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a CPLP, a Secretaria-Geral Ibero-americana, o Instituto Internacional da Língua Portuguesa, o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e o Instituto Cervantes.

A programação é gratuita, está disponível no site da OEI e num canal no YouTube, que transmite os debates ao vivo.

CYR // PJA – Lusa/Fim

Ver:

2ª Conferência Internacional das Línguas Portuguesa e Espanhola

Partilhar