No corrente ano letivo, um total de 2.144 alunos, distribuídos por nove escolas oficiais de Macau têm o português integrado no currículo. Outros 1.641 alunos frequentam cursos de língua portuguesa como disciplina regular ou complementar em 16 escolas particulares, cujo ensino é veiculado em língua chinesa ou inglesa, enquanto 520 alunos frequentam duas escolas particulares de língua veicular portuguesa, a Escola Portuguesa de Macau e o Jardim de Infância D. José da Costa Nunes.

A Escola Portuguesa oferece também aulas de português em três níveis – inicial, intermédio e avançado – a 158 estudantes com outras línguas maternas.

Três escolas secundárias têm 582 alunos a estudar português ao abrigo de apoios concedidos para a “criação de cursos de língua portuguesa na própria escola”, com caráter extensivo de pelo menos três anos.

A língua portuguesa também integra a oferta do programa de formação contínua promovido pelo governo da Região Administrativa Especial chinesa, tendo os 77 cursos de português ‘validados’ pela DSEJ contado com 998 formandos em 2012.

O Centro de Difusão de Línguas, da DSEJ, registou, entre 2012 e abril deste ano, um total de 778 inscritos, os quais, a par dos estudantes de todas as escolas com cursos de português no território, têm ainda à disposição na Internet um programa de leitura em português, cujo portal recebeu 15.589 “visitas” entre setembro e fevereiro deste ano.

Além de iniciativas de curta duração, como o programa dos cursos de verão de língua e cultura – iniciado em 2004 e que já levou 111 alunos a Portugal – a língua de Camões é também promovida quando os estudos superiores são prosseguidos em Portugal.

É disso exemplo o protocolo de cooperação estabelecido entre o Fundo de Ação Social Escolar e a Universidade Católica, que instituiu um curso preparatório de Língua Portuguesa, História e Introdução ao Direito, com a duração de um ano e atualmente frequentado por 17 bolseiros.

Segundo dados do Gabinete de Apoio ao Ensino Superior de Macau (GAES) há atualmente cerca de 450 alunos matriculados nas licenciaturas em Estudos Portugueses, Tradução e Interpretação Chinês-Português, e Línguas Estrangeiras (Língua Portuguesa), um número que, nos últimos anos, tem vindo a aumentar.

As instituições de ensino superior da Região Administrativa Especial de Macau oferecem ainda outros cursos lecionados em português, como Direito, Administração Pública e História de Portugal, com um total de 140 inscritos.

Excluindo o grau académico, o GAES regista mais de mil inscrições anuais nos cursos de português na Universidade de Macau e realça que, em 2012, houve cerca de 4.000 alunos das escolas que frequentaram aulas de língua portuguesa.

Por sua vez, o Instituto Português do Oriente (IPOR) conta, neste primeiro semestre, com 1.600 formandos no curso de língua portuguesa.

 

FV // JMR – Lusa/fim

Foto: A chinesa Yu Yu Ye (E) e a japonesa Usumy Nagaya, estudantes de português na Universidade de Macau, Macau 11 de junho de 2008. JOSE COSTA SANTOS/LUSA

Observatório da Língua Portuguesa
AUTOR: Observatório da Língua Portuguesa

Partilhar