8 March 2021
Universidade de Cabo Verde

Portugal apoia divulgação da ciência em Cabo Verde

Praia, 22 mar (Lusa) – Estudantes cabo-verdianos vão poder integrar programas de ciência em Portugal ao abrigo de um protocolo a assinar entre a Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, de Portugal, e o Governo de Cabo Verde.

Rosalia Vargas, presidente da Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, explicou que, o protocolo – que deverá ser assinado durante a sua visita a Cabo Verde – prevê que a colaboração entre os dois países poderá passar pela troca de experiências, pela formação de professores e monitores, e pela mobilidade de estudantes universitários e do ensino secundário.

“Podem ser convidados a integrar programas que a Ciência Viva tem em Portugal, fazendo pequenos estágios em laboratórios por altura das férias escolares”, disse Rosalia Vargas.

O que, segundo a presidente da Ciência Viva, “possibilita que os jovens tenham um contacto direto com a ciência e possam perceber quem são os investigadores, que resultados obtêm e como é que esse trabalho se desenvolve e qual a importância que tem para a sociedade”.

A presidente da Ciência Viva falava aos jornalistas durante uma visita à Casa da Ciência da Praia, que Portugal ajudou a instalar.

“A instalação destas Casas da Ciência com as autoridades cabo-verdianas tem sido feita através do Centro de Ciência Viva de Aveiro, a Fábrica, e isso representa a Ciência Viva no seu conjunto”, considerou.

Rosalia Vargas adiantou que o protocolo prevê “formas muito alargadas de cooperação” que poderão passar ainda pela organização conjunta de exposições que “poderão circular” pelas escolas e pelas Casas de Ciência em Cabo Verde.

Depois da cidade da Praia, Rosalia Vargas visita quarta-feira a Casa da Ciência do Mindelo.

A Casa da Ciência da Praia foi inaugurada em 2012 com o objetivo de promover a cultura científica e tecnológica, divulgar a ciência, tornando-a mais próxima dos cidadãos, promover a ligação entre as universidades e a sociedade civil e estimular o gosto pela aprendizagem.

CFF // EL – Lusa/FimProdução científica

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES