São Tomé 18 jul (Lusa) – O primeiro ministro são-tomense Patrice Trovoada reconheceu hoje que a organização dos XI jogos da Comunidade de Língua Portuguesa (CPLP) só foi possível graças a solidariedade da comunidade.

“Para São Tomé e Príncipe foi um momento mágico que nos encheu de orgulho. Nós conseguimos porque quisemos e porque a nossa comunidade é uma comunidade solidária”, disse Patrice Trovoada que encerrou hoje o evento.

Agradeceu a todos os estados membros “que acreditaram (na capacidade de S. Tomé) e que se empenharam para que, de facto, pela primeira vez, pudesse ter lugar em São Tomé e Príncipe os jogos juvenis da CPLP”.

“Chegámos ao final de uma semana de competição, mas sobretudo uma semana de alegria, de convívio, de solidariedade no seio dos homens da nossa comunidade”, acrescentou o chefe do governo são-tomense.

Para Patrice Trovoada, a realização dos XI jogos juvenis da Comunidade de Países de Língua Portuguesa trouxe para o país experiências de organização, ensinamento e de disciplina.

“Essa semana foi também para nós uma semana cheia de ensinamentos a nível de organização, a nível da disciplina, a nível do saber receber (amigos e irmãos) mesmo sendo um país cujos recursos são bastante limitados”, sublinhou o governante.

São Tomé e Príncipe assumiu a presidência da conferência a nível da CPLP e o primeiro-ministro prometeu “continuar o espaço de Portugal que assumiu uma presidência memorável”, continuando “a trabalhar para o desenvolvimento do desporto, mas sobretudo para que a nossa juventude possa crescer cada vez mais e em condições melhores”.

O secretário de Estado português da Juventude e do Desporto João Paulo Rebelo fez um “balanço positivo” do evento, lembrou que a comunidade “está mais unida e capaz de continuar a caminhada da coesão da cooperação e sobretudo da amizade dos nossos países”.

“Tivemos o privilégio de acompanhar os esforços do governo de São Tomé para organizar com sucesso esses XI jogos desportivos da CPLP, fizemos o que estava ao nosso alcance para auxiliar nessa organização e hoje estamos absolutamente convencidos que valeu a pena”, explicou.

MYB // JPF – Lusa/Fim

RELACIONADAS