De acordo com informação enviada hoje à Lusa pela petrolífera angolana, os concorrentes ao “Grande Prémio Sonangol de Literatura” podem submeter as respetivas obras, para avaliação, até 30 de março.

Trata-se de um prémio – cujo vencedor será revelado em 2016 – “destinado a escritores consagrados” dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e que, além do valor monetário, prevê igualmente o direito à publicação de 2.000 exemplares da obra apresentada a concurso.

Este concurso é promovido pela Sonangol, sendo gerido por uma comissão que integra três elementos da própria empresa pública, concessionária da atividade petrolífera em Angola, e dois representantes da União dos Escritores Angolanos (UEA).

O “Grande Prémio Sonangol de Literatura” foi criado em 1992 com o objetivo de “valorizar e reconhecer a criatividade dos escritores angolanos”. Inicialmente de cariz anual, passou em 2006 a ser atribuído a cada cinco anos e alargado a escritores de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe.

A última edição teve lugar em 2010, já alargada a todos os países africanos de língua portuguesa.

Os PALOP integram atualmente, além de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

A Guiné Equatorial, que introduziu o português como uma das línguas oficiais e que em 2014 entrou para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) ainda não aderiu, formalmente, ao grupo dos PALOP.

PVJ // VM – Lusa/Fim

Foto: Avião Boeing 727, da companhia Sonangol, Son Air, estacionado no aeroporto de Luanda a 23 de Março de 2009. JOÃO RELVAS / LUSA

Partilhar