De acordo com uma nota de imprensa hoje divulgada pela Gulbenkian, a parceria envolve ainda o Instituto Camões e várias universidades portuguesas, visando uma colaboração «coordenada e optimizada» para a promoção da língua e da cultura portuguesas na China.

No âmbito do protocolo, os parceiros vão trocar informação regular sobre as actividades que desenvolvem naquele país, em articulação com as universidades e instituições chinesas.

O acordo prevê o reforço e consolidação das acções de cooperação com as universidades chinesas, a realização de cursos e outras actividades formativas dirigidas sobretudo a docentes chineses, e a investigação sobre o ensino e aprendizagem do português como língua estrangeira na China.

Também visa criar guias do professor sobre a metodologia de ensino do português naquele país, o apetrechamento bibliográfico de instituições do ensino superior e de investigação na China, e a criação de um sítio na web que apoie as actividades de formação de docentes chineses.

Na assinatura do protocolo, a 24 de Julho, às 17h00, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, estarão os reitores da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa, da Universidade do Minho, António Cunha, da Universidade de Aveiro, Manuel Assunção, da Universidade Nova de Lisboa, António Rendas. Ler o artigo completo

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar