O desfile, com partida nas ruínas de São Paulo, o ‘ex-libris’ do turismo local, e a praça do Tap Seac, um local amplo com calçada à portuguesa e edifícios históricos, contou com a participação de grupos locais e do exterior, principalmente de países de língua portuguesa como Portugal e Brasil, e de países latinos como a Colômbia, Peru, Argentina, Cuba ou Bolívia, numa organização do Instituto Cultural e do Instituto dos Assuntos Cívicos e Municipais.

Transmitida em direto pela televisão, a “Parada Latina”, como também é denominado o desfile que junta milhares de turistas e residentes nas ruas para assistir às performances dos participantes, animou parte do centro histórico de Macau e vincou à cidade o seu papel de ponte entre culturas, como salientou à agência Lusa a diretora dos Serviços de Turismo, Helena de Senna Fernandes.

“Macau serve de ponte entre a China e os países de língua portuguesa e, daí para a frente, também para os países latinos e para além de trazer a Macau diferentes culturas e ser um excelente intercâmbio, podemos aproveitar este tipo de atividades para promover a cidade no exterior”, disse a mesma responsável, salientando que no futuro este será um dos eventos mais importantes da cidade.

Já o Secretário dos Assuntos Sociais e Cultural, Cheong U, considerou a Parada uma das atividades mais significativas para comemorar o aniversário de Macau como Região Administrativa Especial da China.

“Ter atividades de grande dimensão é sempre bom para o significado do dia, para o turismo e para a população e este desfile produz este efeito de a animação e alegria, além de mostrar a harmonia e a história e o património de Macau quer na cultura chinesa, quer portuguesa, quer ocidental e isso é muito significativo”, disse Cheong U.

Ao longo de cerca de três horas, os participantes animaram a cidade com os grupos a desfilarem de forma intercalada.

A receção aos convidados principais da cerimónia, como os cônsules dos países participantes, organizadores e até membros do Governo decorreu no restaurante Lvsitanvs, o “espaço montra” da cultura portuguesa junto às ruínas de São Paulo gerido pela Casa de Portugal e que encerra no final do mês depois do proprietário do edifício ter exigido aos Serviços de Turismo – titular do arrendamento para a promoção cultural – um forte aumento da renda que não foi aceite.

JCS // VM – Lusa/Fim

Fotos: “Desfile por Macau, Cidade Latina” que celebrou os 14 anos da transferência de poderes de Portugal para a China. 20 de Dezembro de 2013, Macau. CARMO CORREIA/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar