Nova Iorque, 14 jun (Lusa) – A ópera “O Casamento de Figaro”, do compositor oitocentista português Marcos Portugal, vai a palco quatro noites desta semana, em Nova Iorque, no “On Site Opera”, no Soho.

A apresentação faz parte do primeiro “New York Opera Fest!”, um novo festival organizado pela New York Opera Alliance, para mostrar a diversidade da ópera, em Nova Iorque.

Com o título original em italiano de “La pazza giornata, ovvero Il matrimonio di Figaro” (“O dia insano ou o casamento de Fígaro”, em tradução literal), é um drama cómico, composto em 1799, em Veneza, com libreto de Gaetano Rossi, para a época do carnaval de 1800, do Teatro San Benedetto.

Em Nova Iorque, a peça será apresentada em inglês, com uma tradução de Gilly French e Jeremy Gray, com diálogos adaptados por Joan Holden.

Em palco, estarão oito músicos – entre os quais um intérprete de guitarra portuguesa – e dez cantores. As quatro récitas já estão esgotadas.

“A estreia norte-americana desta produção da ‘On Site Opera’ dá à audiência de Nova Iorque uma oportunidade rara de ouvir a vibrante música de Portugal”, explica a organização em comunicado.

O compositor e organista Marcos António da Fonseca Portugal (1762-1830) formou-se no Seminário da Patriarcal de Lisboa, onde estudou com João de Sousa Carvalho, e destacou-se na Europa do século XVIII, sobretudo na produção operática e na música sacra.

Foi organista da Igreja da Patriarcal, compôs para a corte de D. Maria I e dirigiu o antigo Teatro do Salitre, em Lisboa, antes de partir para Itália, em 1792, onde permaneceu quase uma década, destacando-se nos principais palcos internacionais, de Nápoles e Milão, a São Petersburgo, onde foi representado.

No regresso à capital portuguesa, dirigiu o Real Teatro de S. Carlos.

Quando das invasões francesas, em 1808, acompanhou a corte para o Brasil, onde permaneceu após a independência do país, vindo a morrer em 1830.

A sua produção, entre óperas, serenatas, modinhas e obras sacras, soma mais de 140 títulos. “As damas trocadas”, “Merope”, “Lo spazzacamino”, “La morte di Semiramide” estão entre os seus principais sucessos.

É autor de dois dos dois primeiros hinos oficiais de Portugal (“Hymno Patriótico”, 1809) e do Brasil (“Hino da Independência do Brasil”, 1822).

“O Casamento de Figaro” sobre a palco terça, quarta e quinta-feira, às 19:30, em Nova Iorque.

A última récita acontece na sexta-feira às 21:00.

AYS // MAG – Lusa/Fim
close
Subscreva as nossas informações
Partilhar