A iniciativa partiu de um desafio para ajudar na constituição de uma biblioteca escolar, disse à agência Lusa José Marcos, diretor do escritório em Londres do banco.

“Falei com os colegas em Lisboa ligados à Karingana e a partir daí desenvolvemos o processo”, contou.

A associação não-governamental, que já fez ações semelhantes de recolha de livros para Moçambique e Timor-Leste, tem como dirigentes, entre outros, o ex-ministro das Obras Públicas Mário Lino, o ex-bastonário dos Advogados José Miguel Júdice, a eurodeputada Edite Estrela e o deputado Miguel Frasquilho.

Participaram também no projeto o importador Viriato Campos, que ofereceu o transporte e distribuição dos volumes pelas escolas e associações portuguesas com bibliotecas, e a Coordenação-Geral do Ensino Português no Reino Unido.

O embaixador português neste país, João de Vallera, falou no “papel louvável” de todos os intervenientes no processo, saudando a “conjugação de boas vontades” observada.

Apesar de a distribuição dos livros já estar em curso, a iniciativa será celebrada numa cerimónia na sexta-feira na escola secundária Lilian Baylis, em Londres, frequentada por 258 alunos lusófonos e que acolhe o ensino de língua portuguesa em regime curricular e extracurricular.

“É uma escola que tem sido reconhecida pelo espírito de coesão e inserção de estudantes de várias nacionalidades, onde o português tem sido acarinhado, e que nos últimos três anos foi considerada uma das 100 melhores no país em termos de melhoria do ensino na classificação nacional”, justificou o diplomata à agência Lusa.

Segundo José Marcos, a distribuição dos livros, usados, de literatura infantil e juvenil, escolares e também de romances de ficção, já começou pelas escolas e associações.

 

BM // VM.

Lusa/Fim

Foto: Crianças timorenses recebem 50 mil livros da associação de apoio à lusofonia “Karingana Wa Karingana”, em Díli, Timor-Leste, 15 outubro 2012, (ACOMPANHE TEXTO) ANTONIO AMARAL/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar