25 February 2021
A comunidade académica, os governos e a socidade civil devem trabalhar para que a língua portuguesa seja mais do que uma língua de cultura, uma língua da «ciência e tecnologia», afirma o ex-presidente de Cabo Verde, Pedro Pires

O Português tem de ser língua de ciência

Pedro Pires, ex-presidente de Cabo Verde e vencedor do Prémio Mo Ibrahim, referiu em entrevista à Rádio ONU, que a língua portuguesa precisa de se afirmar não só como língua de cultura, mas sobretudo de ciência e tecnologia. Para tal, Pedro Pires defende que é necessário que exista um esforço da comunidade académica, da sociedade civil e dos governos dos países lusófonos para elevar o estatuto da língua portuguesa no campo da pesquisa.

«Para além de uma língua de cultura», o português deverá ser «uma língua de tecnologia», este é um «trabalho a ser feito», adiantou Pedro Pires. Para tal, «caberá aos países mais avançados e mais populosos como Brasil, Portugal, Angola e Moçambique trabalharem para fazer da língua portuguesa uma língua de cultura, mas sobretudo uma língua de ciência e tecnologia». Para o ex-presidente de Cabo Verde, «as investigações nos mais diversos domínios» vão precisar de ser em língua portuguesa. «É um esforço que deve ser feito», concluiu. Ler o artigo completo

Também poderá gostar

Sem comentários