Ana Paula Laborinho fez estas declarações à Lusa, à margem do colóquio internacional “Percursos, trilhos e margens: receção e crítica das Literaturas Africanas em Língua Portuguesa”, que termina hoje, no pólo de Lisboa do Centro de Estudos Sociais (CES), onde deixou um “apelo aos mais jovens” para aderirem às “formações em língua portuguesa”.
É preciso “agarrar” a oportunidade de a língua portuguesa estar “a explodir em muitas regiões do mundo”, defende. Após “um enorme decréscimo dos estudos nestes domínios”, há agora “perspetivas de emprego” nesta área, embora em Portugal não haja “tantos lugares”, frisa.

 

FONTE: RTP.pt

Partilhar