Relativamente ao novo acordo ortográfico, o novo alfabeto português passou a ser composto por 26 letras.

As letras K (capa/ cá) , W (dáblio / dâblio / duplo vê) e Y (ípsilon / i grego) passaram a fazer parte do abecedário. Estas letras só se usam em casos especiais, como por exemplo, nos nomes próprios estrangeiros de pessoas (antropónimos), e nos seus derivados: Byron, byroniano; Darwin, darwinismo; Franklin, frankliano; Kant, kantismo; Newton, newtoniano

Taylor, taylorista; Wagner, wagneriano.

Também se usam nos nomes próprios estrangeiros de lugares (topónimos) e seus derivados: Kent, kentiano; Kuwait, kuwaitiano; Kwaza, kwaziano; Malawi,   malawiano; Wellington, wellingtoniano; Yorkshire, yorkshiriano.

Estas letras são usadas ainda nas siglas, nos símbolos, nas unidades de medida e nas unidades monetárias: KLM; W – símbolo químico de volfrâmio; Y – símbolo químico do ítrio ; W – oeste (West); kg – quilograma; km – quilómetro; kHz – kilohertz; kW – kilowatt; yd – jarda (yard); yuan – unidade monetária da China; W – watt; won – unidade monetária da Coreia.

Por último, estas letras são utilizadas nos termos de outras línguas de uso corrente (estrangeirismos): playboy; kit; software; show; windsurf; yoga.

Lúcia Vaz Pedro

Voltar ao Índice

Partilhar