Bissau, 14 jul 2019 (Lusa) – O novo secretário de Estado da Cultura da Guiné-Bissau quer utilizar o setor para promover rápidas transformações na sociedade, valorizando ativos, línguas e o Carnaval do país que, disse, deve ser internacionalizado como o do Brasil.

Em entrevista à Lusa, António Spencer Embaló, 41 anos, sociólogo formado em Portugal, disse que vê a Cultura guineense “para além do folclore, do ato lúdico”, como “vetor de transformação social”, fator de emprego e de criação de riqueza, sobretudo dos jovens, observou.

Embaló tem cinco pilares sobre os quais irá assentar a sua ação: Revalorizar os símbolos nacionais (hino e bandeira nacional), recentrar a marca Amílcar Cabral (“pai” da independência e que considerou ser o maior ícone nacional) na mente do guineense, recolocar as línguas da Guiné-Bissau no lugar em que devem estar, identificar o património material e imaterial da cultura e internacionalizar o Carnaval.

No geral, o novo secretário de Estado quer ver a Cultura a ajudar a formar “bons cidadãos, conscientes do seu dever cívico e respeitadores dos valores e regras sociais”, enfatizou.

Em relação às línguas, o secretário de Estado antevê a criação de um instituto que vá cuidar das línguas maternas nacionais, do crioulo e do português, salientando o facto de a Guiné-Bissau ser, pelo menos, um país bilingue, mas onde a grande maioria da população não se expressa na língua oficial, o português.

“É nossa ambição que daqui a uma, duas décadas, a maioria da população guineense se expresse também na sua língua que é a portuguesa”, frisou Embaló.

Sobre o Carnaval, maior manifestação cultural da Guiné-Bissau, o novo secretário de Estado da Cultura quer criar uma estrutura autónoma, tirando-o das mãos do governo, que o organiza anualmente, para que possa ser trabalhado para ser mais conhecido fora do país.

“[O Carnaval] é um dos ícones, é uma das manifestações culturais mais fortes que nós temos (…). A ideia é beber da experiência brasileira, em relação à sua promoção, mas a sua prática terá que ser nossa, porque nos temos um Carnaval muito vivo, muito nosso”, defendeu António Embaló.

Primeira pessoa com cabelos ao estilo “rasta” a ser nomeada governante na Guiné-Bissau, Embaló enfatiza o facto de o seu partido, PAIGC, está dar mostras de evolução.

Embaló manifestou-se ainda satisfeito por não ser julgado pela forma como se apresenta, mas pelo que poderá aportar à sociedade, “independentemente de ter cabelo assim, assado ou cozido”.

MB // FPA – Lusa/Fim

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar