Macau, China, 05 set (Lusa) – A conferência ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa vai realizar-se nos próximos dias 11 e 12 de outubro, anunciou hoje o governo de Macau.

A conferência ministerial do chamado Fórum Macau vai ter por base a iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, estando o foco apontado ao desenvolvimento, “de modo a promover as relações económicas e comerciais entre a China e os países de língua portuguesa”, refere um comunicado oficial hoje divulgado.

“Uma Faixa, uma Rota” é a versão simplificada de “Faixa Económica da Rota da Seda e da Rota Marítima da Seda para o Século XXI”, o projeto de investimento impulsionado pela China para reforçar a sua posição como centro comercial e financeiro da Ásia.

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como a sua plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003.

No mesmo ano, criou o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, conhecido como Fórum Macau, que tem um Secretariado Permanente e reúne ao nível ministerial de três em três anos.

A próxima conferência ministerial, que será a quinta desde 2003, vai contar com a participação de delegações oficiais da China e de sete países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste).

São Tomé e Príncipe encontra-se excluído por manter relações diplomáticas com Taiwan em detrimento de Pequim.

No entanto, São Tomé e Príncipe tem participado como observador nas reuniões do Fórum Macau. Aliás, na última conferência ministerial, realizada em 2013, enviou, pela primeira vez, um representante com a categoria de ministro.

Na conferência ministerial vai ser assinado, como tem sido prática, o plano de ação para a cooperação económica e comercial para o próximo biénio (2017-2019).

Na mesma nota oficial, o Governo de Macau indica que a próxima conferência ministerial vai introduzir “um novo dinamismo” na cooperação sino-lusófona e oferecer “novas oportunidades” a Macau para consolidar o seu estatuto como plataforma, “contribuindo adequadamente para a diversificação da sua economia”, fortemente dependente da indústria do jogo.

O Fórum Macau tem, desde 11 de agosto, uma nova secretária-geral.

Xu Yingzhen, que era conselheira comercial para a América Latina do Ministério do Comércio da China, foi escolhida para suceder a Cheng Hexi à frente do Fórum Macau.

DM //ISG – Lusa/Fim

RELACIONADAS